quarta-feira, 2 de abril de 2008

Allen Grossman

O corredor



O homem pensava na sua mãe
E na lua.

Era uma noite suave.
Ele corria debaixo das estrelas. A lua
Ainda não aparecera,

mas ele não tinha dúvidas que
Apareceria tal como ele corria.

Pequenas coisas atravessavam a estrada
Ou caíam dificilmente nela. A sua mãe
Estava longe, como uma nuvem sobre uma montanha
Com seios chuvosos. O homem não era um corredor
Mas corria com vigor.

Passado um instante, a lua
Surgiu entre as estrelas inextinguíveis,
E ele leu enquanto corria a escritura-nocturna
De pedra da lua com a sua própria luz.

Então a sua mãe
Chegou e correu a seu lado, cheirando a chuva;
E eles correram toda a noite, juntos,
Como um homem e a sua sombra.



(in Edward Hirsch, Poet's choice, Harcourt, Orlando, 2007, p. 229-230; o arranjo gráfico original é ligeiramente diferente daquele que, por limitações técnicas, aqui se apresenta; no original, os primeiros versos de todas as estrofes, à excepção da primeira, começam avançados na página e não na mesma linha vertical dos restantes).

Sem comentários: