quinta-feira, 8 de maio de 2008

Martha Collins

Linhas



Traça uma linha. Escreve uma linha. Aí.
Mantém-te em linha, não desligues, um vislumbre
entre linhas é bom mas não dobres esquinas,
atravessa, interrompe, passa por cima
ou apaga-te, entre dois pontos de não
retorno há uma linha de fuga, entre
dois pontos de vista uma linha de visão.
Mas uma linha de pensamento raramente
segue a direito, uma linha aberta não é uma linha
partilhada, por admirável que seja a tua posição.
Uma linha de fogo comunica, mas larga
as tuas armas e renuncia à tua linha,
considera a distância mais curta de x
a y, deixa que x seja eu, que y sejas tu.



(versão minha; do livro Some things words can do, de 1988.)

Sem comentários: