sexta-feira, 13 de março de 2009

Naomi Shihab Nye

Chuva



Uma professora perguntou ao Paulo
de que se lembrava ele
do terceiro ano; ele esteve sentado
durante muito tempo antes de escrever
"nesse ano álguei tucõ me
no ombru"
e dobrou a folha de papel.
Mais tarde ela mostrou-ma
como um exemplo da sua vida desperdiçada.
As palavras que ele escreveu eram grandes
como casas numa paisagem.
Ele quis entrar nelas
e viver lá, podia preencher
as janelas dos "o" e do "b"
e ficar seguro enquanto lá fora
os pássaros fariam os seus ninhos nos algerozes
sem nada saberem sobre a chegada da chuva.



(versão minha; original reproduzido em Poetry 180, a turning back to poetry, organização e introdução de Billy Collins, Random House, Nova Iorque, 2003, p. 68).

Sem comentários: