quinta-feira, 30 de abril de 2009

Charles Wright

O novo poema



Não se parecerá com o mar.
Não terá lodo nas suas mãos grossas.
Não fará parte do tempo atmosférico.

Não revelará o seu nome.
Não terá sonhos em que possas confiar.
Não será fotogénico.

Não dará atenção ao nosso desgosto.
Não servirá de consolo às nossas crianças.
Não poderá ajudar-nos.



(versão minha; original reproduzido em The generation of 2000 - contemporary american poets; organização e prefácio de William Heyen, Ontario Rewiew Press, Nova Iorque, 1984, p. 359).

Sem comentários: