domingo, 3 de janeiro de 2010

Claribel Alegria

Ars poetica



Eu,
poeta de ofício,
condenada tantas vezes
a ser corvo,
nunca trocaria de lugar
com a Vénus de Milo:
enquanto ela reina no Louvre
e morre de tédio
e acumula pó
eu descubro o sol
todos os dias
e entre vales
vulcões
e despojos de guerra
avisto a terra prometida.



(versão minha; original reproduzido em Poetry like Bread: Poets of the political imagination, selecção de Martín Espada, Curbstone Press, 4ª edição, 2007, p. 16).

2 comentários: