quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Östen Sjöstrand

Às quatro já há luz...



Às quatro já há luz.
Os lírios, os narcisos, os jacintos
e as túlipas turcas, as de turbante vermelho,
já acordaram
e voltam-se para a luz.

Penso que dormes
só a setenta quilómetros daqui
e que não posso rodear-te
com os meus braços.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Francisco J. Uriz reproduzida em Afinidades afectivas - antologia de la poesia nordica, prólogo, selecção do tradutor, Libros del Innombrable, Saragoça, 2002, p. 55).

4 comentários:

CCF disse...

Dizer tanto com tão poucas palavras tão simples, que bonito!
~CC~

L. disse...

lp?

lp sou eu!

:P

Lp disse...

;)

O. disse...

Saludos de otro trapecista.