quinta-feira, 11 de março de 2010

Jarkko Laine

Pelas noites leio mais a Bíblia



Os ruídos das rodas do carro no asfalto molhado:
viajar num táxi toda a vida
e crer firmemente que a fé não é inútil
e que, depois da esquina, se não a felicidade
pelo menos indícios dela; um novo pressentimento.
Na rua nocturna, porém,
as folhas mortas, empapadas, fazem a calçada
escorregadia à luz ténue dos faróis
e ninguém fala de modo natural.
Nos rostos que se esboçam na obscuridade
não se pode decifrar uma expressão compreensível.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Juana Ruiz e Jarkko Sirén reproduzida em Poesía Finlandesa Actual, Icaria Editorial, Barcelona, 1993, p. 115).

Sem comentários: