sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Enrique M. Butti

Ao recém-nascido



Será Píndaro, Platão, Ptolomeu,
inventará o fogo
e descobrirá cada estrela,
será Ulisses, reinará no seu mundo.

Tudo lhe será possível:
a salvação e o Paraíso
que são os dias do amor
e da amizade
e da ambição desinteressada.

Mas será também - tremo de espanto
enquanto o vejo sorrir nos seus sonhos -
Rascolnikov, um escravo
que prefere morrer pela liberdade,
um budista que medita
enquanto cai a bomba de Hiroshima.
No único destino
que se desenrolará
prevejo que vibrará na fraternidade
de todos os destinos.
Há flores que nascerão só
para ele
e para as quais ele nasce.



(Versão minha a partir do original e da tradução francesa reproduzidos em Voix d' Argentine / voces argentinas, organização de Claudia Schvartz e Gerardo Manfredi, tradução francesa de Nicole e Émile Martel, Leviatán (Buenos Aires), Écrits des Forges (Trois-Rivières/Québec) e Le Temps des Cerises (Pantin), 2009, p. 56).

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Pierre Albert-Birot

A erva dizem vocês...



A erva dizem vocês
Não faz qualquer barulho a despontar
A criança a crescer
O tempo a passar
Não têm o ouvido verdadeiramente apurado vocês.



(Versão minha; original reproduzido em Poèmes pour voyager - anthologie des poèmes dans le métro et le bus, Le Temps des Cerises, Pantin, 2005, p. 13).

sábado, 23 de outubro de 2010

Marlene Dumas

Medindo o teu próprio túmulo



Eu sou a mulher que já não sabe
onde quer ser sepultada.
Quando era pequena, queria um anjo enorme no meu túmulo
com asas como num quadro de Caravaggio.
Mais tarde achei isso demasiado pomposo.
E então pensei que preferia uma cruz.
Depois pensei - uma árvore.
Eu sou a mulher que já não sabe
se quero ser sepultada.
Se já ninguém vai a cemitérios
se vocês já não me visitam lá
também sou capaz de deixar as minhas cinzas num frasco de compota
e ser mais transportável.

Mas voltemos à minha exposição aqui.
Disseram-me que as pessoas querem saber
porquê um título tão sóbrio para uma mostra?
Trata-se de algo sobre artistas a meio da sua carreira,
ou é sobre mulheres depois dos cinquenta danos?
Não. Quero deixar isto claro:
É a melhor definição que consigo encontrar
para aquilo que um artista faz quando se trata de arte
e para o modo como uma figura deixa a sua marca num quadro.
Para o tipo de retratista como eu
isto é tão longe quanto consigo alcançar.



(Tradução de Ricardo Castro Ferreira; Marlene Dumas é uma artista plástica sul africana; o texto/poema original pode ser lido algures por aqui).

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Maria Teresa Andruetto

Maca



Estou de cama
(a enfermeira
chama-se Erminda)
Pela janela que dá para o pátio
a minha irmã passa numa maca.
Passam também as amoras, o verão,
as cigarras. Há-de ser Outubro,
como esta tarde, ou talvez Novembro,
e o calor sufoca, porque o meu pai
que chega do trabalho desaperta,
coisa estranha, a gravata. Eu estou
de cama. E a Ana que passa alegre,
viva, sobre a maca.
Terá sido de vidro o ar,
como esta tarde.



(Versão minha a partir do original e da tradução francesa reproduzidos em Voix d' Argentine / voces argentinas, selecção de Claudia Schvartz e Gerardo Manfredi, tradução para francês de Nicole e Émile Martel, Leviatán (Buenos Aires), Écrits des Forges (Trois-Rivières / Québec) e Le Temps des Cerises (Pantin), 2009, p. 16).

sábado, 16 de outubro de 2010

Charlotte Delbo (1913-1985)

Oração aos vivos para que sejam perdoados por estarem vivos



Eu suplico-vos
fazei qualquer coisa
aprendei um passo
uma dança
alguma coisa que vos justifique
que vos dê o direito
de vestir a vossa pele o vosso pêlo
aprendei a andar e a rir
porque será completamente estúpido
no fim
que tantos tenham sido mortos
e que vós viveis
sem nada fazer da vossa vida.



(Versão minha a partir do original reproduzido em Poèmes pour voyager - anthologie des poèmes dans le métro et le bus, Le Temps des Cerises, Pantin, 2005, p. 71).

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Jean Marcenal

O cão



O cão vive de pouco

Aquilo que o dono não quer
Atira aos cães

Mas quando o cão tem demasiada fome
Devora o dono.



(Versão minha a partir do original reproduzido em Poèmes pour voyager - anthologie des poèmes dans le métro et le bus, Le temps des Cerises, Pantin, 2005, p. 164).

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Maria Teresa Andruetto

Segunda-feira



Às segundas-feiras o meu pai chegava tarde
e trazia chocolates amargos.
Na cama grande, a mamã lia-nos
A Cabana do Pai Tomás.
Nós gostávamos das segundas-feiras,
gostávamos de chorar por causa das tristezas
de romance, de sofrer pelos negros
enquanto comíamos chocolates
Suchard.



(Versão minha a partir do original e da tradução francesa reproduzidos em Voix d' Argentine / voces argentinas, selecção de Claudia Schvartz e Gerardo Manfredi, tradução para francês de Nicole e èmile Martel, Leviatán (Buenos Aires), Écrits des Forges (Trois-Rivières/Québec) e Le temps des Cerises (Pantin), 2009, p. 22).

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Oktay Rifat

O menino



Este menino cresce,
Fica parecido com o pai
E depois, em seguida, meus senhores,
Morre.



(Versão minha a partir da tradução francesa reproduzida em J' ai vu la mer - Anthologie de la poésie turque contemporaine, selecção, apresentação e tradução de Michèle Aquieu e outros, Bleu autour, Saint-Pourçain-sur-Sioule, 2010, p. 92).

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Maria Teresa Andruetto

Visita



Hoje a minha mãe veio visitar-me
e caminhamos as duas por estas ruas.
Falamos do meu irmão,
dos filhos, das raparigas do Sul,
do meu cunhado. A dado passo eu critiquei
o governo e ela afirmou a seguir
"É um país tão grande!". Não quer
que me queixe: "Este país generoso
acolheu o teu pai!", e seguimos as duas
por uma zona de tristeza, em silêncio,
até que se detém e diz: "ontem
fiz doce de pêssego" e eu digo
que falaram do meu livro
no jornal.



(Versão minha a partir do original e da tradução francesa de Nicole e Émile Martel reproduzida em Voix d' Argentine / voces argentinas, selecção de Claudia Schvartz e Gerardo Manfredi, Leviatán (Buenos Aires), Écrits des Forges (Trois-Rivières / Québec) e Le Temps des Cerises (Pantin), 2009, p. 28).

domingo, 3 de outubro de 2010

Savkar Altinel

Joseph Conrad


É a juventude: eu e os guerrilheiros de D. Carlos
A fazermos contrabando de armas em terras de Espanha,
Sobre esse mar ancestral um ou dois veleiros,
Quem sabe em que pensávamos nós.

A noite dentro de quartos de altos tectos
Enquanto os cortinados de tule vogavam na escuridão,
As minhas mãos nas espáduas de Dona Rita,
Em mim um infinito desgosto.

Depois, aprisionado por isso, parti para Sidney,
Quarto capitão em 77,
Panamá, o Congo, mal passei
Por tudo isso: infantilidades.

De agora em diante já não sou o homem que fui, graças a Deus,
Vejam - se não acreditam - as minhas fotografias.
Um inglês respeitável e burguês
Ao lado do meu amigo Henry James.

Agora tenho uma casa, livros,
Todas as manhãs leio o Times,
Aos poucos o meu sotaque vai sendo corrigido,
Falo o inglês da Rainha.

Mas há coisas que permanecem em mim,
Esses pobres hotéis, certos barcos vetustos;
Sob um clima frio comecei o meu primeiro romance,
Do coração das trevas há notícias a dar-vos.



(Versão minha a partir da tradução francesa reproduzida em J' ai vu la mer - Anthologie de poésie turque contemporaine, selecção, apresentação e tradução de Michèle Aquieu, Pierre Chuvin e Güzin Dino com Enis Batur e Elif Deniz, Bleu autour, Saint-Pourçain-sur-Sioule, 2009, pp.216-217).