segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Juan Antonio González Iglesias

Autorretrato como asceta inconsciente


Hoje beberei contigo num copo curto
o vinho humilde que guardei para ti faz um ano.

Horácio, traduzido
por Luis Javier Moreno



Desconheço as marcas dos vinhos mais caros.
Ungaretti é a única denominação
de origem que respeito.
Estou treinado para respirar ar.
Dormi no chão, comi no chão.
Com um trago de água mineral
honro Píndaro. Exponho
o meu corpo inteiro
às diferentes temperaturas
das quatro estações.
Retiro o meu vocabulário do atletismo.
Não me enamoro do meu próprio zeppelin.
Pedi muitas vezes esmola
às estátuas: estou acostumado
ao fracasso, ainda que saiba
que Juan Ramón Jiménez
não teve mais substância do que a que tenho eu.
Sejamos claros: tenho
uma ideia radical de liberdade.
Tal como um poeta arcaico,
amaldiçoo o dinheiro, as moedas, uma a uma.
Tal como um poeta arcaico, no entanto,
celebro a riqueza e a pobreza
porque são dons. Para ler Horácio
um livro de bolso. Isso basta-me.
Bibliofilia e tesouros, para os outros.
Os meus luxos alcançam-se com dois euros.
O universo está pintado à mão,
assegura um rapper. Subscrevo-o.
Não sou romancista. Não invento.
Não posso permitir-me mentir
nesta relação. Dou a minha palavra.
Serenidade: um litro nas minhas artérias.
Há algo
de revolucionário
na felicidade do silencioso.
Movo-me nos extremos invisíveis.
Em alguns dias, para regressar a casa, tomo
o caminho mais longo.
Noutros dias escolho diagonais.
Fora disto não consigo
explicar-me. Para além de torpe, sou
um asceta inconsciente.



(Versão minha; original reproduzido em Del lado del amor - Poesía reunida (1994-2009), Prólogo de Guillermo Carnero, Visor, Madrid, 2010, p. 188-1899).

1 comentário:

O Impenetrável disse...

lindíssimo poema que salta aos olhos.