quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Eeva Kilpi

["Quando alguém já não tem forças..."]



Quando alguém já não tem forças para escrever, tem de recordar.
Quando já não tem forças para fotografar,
tem de ver com os olhos da alma.
Quando já não tem forças para ler,
tem de estar repleto de histórias.
Quando já não tem forças para falar,
tem de ecoar.

Quando alguém já não tem forças para andar, tem de voar.

E quando chega a hora,
tem de se desprender das recordações
e dos olhos da alma e deixar de ressoar,
calar-se e dobrar as asas.

Mas aconteça o que acontecer a história continua, continua.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Francisco J. Uriz reproduzida em Poesía nórdica, Ediciones de la Torre, 2ª edição, Madrid, 1999, p. 128).

2 comentários:

Albert Lázaro-Tinaut disse...

Mis mejores deseos para el nuevo año, en el que la poesía continúe siendo protagonista (y refugio).
Un saludo cordial y mediterráneo.

Lp disse...

Obrigado, Albert. Faço votos para que assim seja. Bom ano, feliz natal e um abraço.