sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Jane Kenyon

A camisa



A camisa toca o seu pescoço
e alisa-se ao longo das suas costas;
desliza-lhe pelos flancos
e desce mesmo para além do seu cinto -
para dentro das suas calças.
Afortunada camisa.



(Versão minha a partir do original e da tradução espanhola de Hilario Barrero reproduzidos em De otra manera, Pre-Textos, Valencia, 2007, pp. 46-47).

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Daniel Nyikos

Sopa de batata



Instalo o computador e a webcâmara na cozinha
para pedir ajuda à minha mãe e à minha tia
enquanto faço sopa sozinho pela primeira vez.
A minha mãe está no Utah. A minha tia na Hungria.
Com a câmara mostro as cebolas à minha mãe.
"Corta-as em pedaços mais pequenos", aconselha-me ela.
"Só precisas de dar um bocadinho de gosto."
Corto as batatas enquanto as cebolas ficam a refogar na panela.
Quando menciono que não tenho paprika para juntar ao caldo,
elas argumentam que assim é duvidoso que lhe possamos chamar sopa de batata.
A minha mãe diz que será uma sopa branca de batata,
a minha tia diz que a sopa de batata tem de ser vermelha.
Ao acrescentar os pimentos em fatias
pergunto várias vezes se devo juntar água,
mas dizem-me ambas que espere até juntar as batatas.
Adiciono salsichas polacas porque não arranjei húngaras,
e cozo-as durante tanto tempo que as batatas se desfazem.
"Fizeste um guisado", diz a minha mãe
quando mostro o conteúdo da panela através da câmara.
Elas riem-se e dizem que tenho de casar rapidamente.
Eu desligo o computador e como sozinho.



(Versão minha; o original pode ser lido aqui).

domingo, 25 de setembro de 2011

Amal Al-Jaburi

Protesto



Por que o censuras
e o mandas embora?
E porque o amaldiçoas?
Ajoelhar-se não é digno de Adão.

Adão, tu que arruinaste a minha vida...
Escuta: um dia, em sinal de arrependimento, o Senhor
vai revogar
a Sua decisão.
Como é que Ele pôde conceber-te como o guardião
o profeta
o assassino
o chefe
o senhor e o escravo
o pai e o filho?
E tu,
tu não és mais
do que um par de botas estragadas.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Salih J. Altoma reproduzida em The poetry of arab women - A contemporary anthology, organização de Nathalie Handal, Interlink Books, Nova Iorque/Northampton, 2001, p. 135).

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Etel Adnan

A primavera floresce à sua maneira



Uma borboleta vem morrer
entre duas pedras
aos pés da montanha
a montanha derrama sombras
sobre ela
para esconder o segredo da
morte.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Addelwahab M. Elmessiri reproduzida em The poetry of arab women - A contemporary anhthology, organização de Nathalie Handal, Interlink Books, Nova Iorque/Northampton, 2001, p. 75).

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Lamea Abbas Amara

Os mandamentos



Segundo a lei todos os nãos transformam-se em sins.
Não mintas.
Mente!
Mas insiste nisso
regista-o
dá-lhe corpo e olhos.
Não roubes.
Rouba, mas sê inteligente
e generoso
com os pobres.
Não cometas adultério.
Casa-te, divorcia-te, casa-te, etc.
Tem cuidado com os males da sociedade.
Atribui as culpas ao diabo e às tuas fraquezas.
Não mates.
Mata, mas quando não houver testemunhas.
Ou começa uma guerra,
pois o assassínio no glorioso campo de batalha é eterno.
Não levantes falsos testemunhos.
Fá-lo.
Não roubes.
Rouba, saqueia, assassina
enquanto houver juristas.
Desculpa-me.
Isto é injusto.
Nós defendemos a justiça através da aplicação da lei.
Justiça?!!
Onde está a justiça
quando cada caso tem dois advogados?
E cada moeda duas faces
tal como a justiça,
tal como a liberdade.




(Versão minha a partir da tradução inglesa de Mike Maggio reproduzida em The poetry of arab women - A contemporary anthology, organização de Nathalie Handal, Interlink Books, Nova Iorque/Northampton, 2001, pp. 80-81).

sábado, 17 de setembro de 2011

Elena Fanailova

O álbum de Frida Kahlo



(Pálida) Frida senta-se com uma touca, senta-se junto à tela,
Uma saia rendada, avental, brincos, tranças em espiral,
A morte na sua mão esquerda, Diego decapitado na direita,
Um cordão umbilical liga-os, as veias, os filamentos que parecem cabos eléctricos,
Uma bola de cristal suspensa por um fio mais atrás
Mostrando céus, aposentos, pessoas, um oceano,
O seu coração pára, pulsa na garganta,
A erva cobriu-lhe a cama,
Frida senta-se nela como um ídolo de pedra.
No ar paira uma Mãe de Deus, uma Frida crucificada jaz num berço,
Uma Frida crucificada estende-se ali
Diego está com Paulette Goddard
Frida senta-se como uma rainha, xailes, pregadeiras, flores no cabelo,
Reparem nas suas lágrimas, nas medalhas, pulseiras, contas, bordados, fitas, pendentes, franjas,
Bonecas mortas deitadas ao seu lado, imagens (retratos) de líderes
penduradas na cabeceira da cama,
Frida senta-se ali sustentada por aduelas, coberta de crostas,
A erva cobre-lhe a cama
A erva emerge da sua cabeça
Diego está com María Felix
Frida está vestida como um rapazinho, vejam os cigarros,
as pedras, os cristais, pedacinhos de mica,
O seu macaco abraça-a, os seus papagaios, mulheres afogando-se no ar,
Estrelas nas suas orelhas, espelhos no jardim, laços,
Cadáveres, corças, estranhas raças de cães,
O falecido Príncipe Dimas
Anjos ceifados pelo coração,
perfurados através do peito dela
Frida está com Lucienne Bloch
Frida está com Eva Frederick
Frida está em casa com a sua mulher Lupe Marín
Frida está num berço, Diego está de luto,
reparem nas cartas, casamento,
casa-que-mente,
Há duas Fridas, Fridas duas há



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Stephanie Sandler reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa, Iowa City, 2005, pp.37-38).


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Marina Boroditskaya

Carta musical



Olá, Senhor!
Escreve-te
um poeta menor,
uma voz do coro,
um pequeno pinheiro do pinhal,
um clarinete na orquestra da escola.

Achas que é assim tão
fácil, Senhor,
ser uma voz no coro,
um peixe na água,
não perturbar a Tua ordem?
Pior, porém, é o destino gelado
desses que foram feitos para serem
o primeiro violino
ou o pico mais alto da montanha.

A nós não nos custa nada afundar,
ano sim ano sim, dia após dia,
as nossas raízes no mais fundo
e praticar as nossas escalas
esperando que o maestro,
posicionado no seu lugar,
aponte a sua batuta -
então um solo sublime começa a soar
levando às lágrimas as próprias montanhas.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Ruth Fainlight reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa Press, Iowa Press, 2005, pp. 19-20).

domingo, 11 de setembro de 2011

Inna Kabish

Fazer compota em julho



Uma mulher a fazer compota em julho
revela-se resignada a viver com o marido.
Não vai fugir às escondidas com o amante.
Se assim não fosse, de que serviria cozer fruta com açúcar?
E vejam como ela o faz de boa vontade,
como um trabalho feito com amor,
mesmo que o espaço tenha um valor excessivo
e não haja sítio para armazenar os boiões.

Uma mulher a fazer compota em julho
está a preparar-se para ficar por aqui durante uns tempos.
Pretende aquartelar-se e hibernar
para atravessar os desconfortos do inverno.
Se assim não fosse, por que razão - e, notem,
sem que haja nisso qualquer dever -
gastaria ela o verão tão breve
a limpar restos de compota.

Uma mulher a fazer compota em julho
no meio do caos de uma cozinha cheia de vapor
não se está a preparar para fugir para o Ocidente
ou para comprar um bilhete para os EUA.
Essa mulher há-de escapar aos desmoronamentos da neve
salva pelo sabor da fruta.
Na Rússia quem faz compotas
sabe que não há saída.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Fay Marshall e Alex Marshall reproduzida em An anthology of contemporary russian womem poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa Press, Iowa City, 2005, p. 69).

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Olga Ivanova

Encontro-me comigo todos e cada dia...



Encontro-me comigo todos e cada dia
Nunca me deixo só a mim mesma
Não fico nem um segundo longe da minha vista
Por isso não consigo simplesmente entender
O que pode ter acontecido
A este rosto
Que me responde olhando-me fixamente
De velhas fotografias



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Jenefer Coates reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa, Iowa City, 2005, p. 66).

domingo, 4 de setembro de 2011

Gali-Dana Zinger

Lamentação do guarda-fronteiriço



Eu não quero ser um guarda-fronteiriço, disse o guarda-fronteiriço.
Não quero ser um guarda-costas.
Não quero ser um anjo-da-guarda.
Não quero ser um guia.
Não quero ser um gravador.
Não quero ser uma granada.
Não quero ser uma garantia.
Não quero ser um galão de enfeitar.
Mas a minha própria má consciência guarda-me e agarra-me
e aqui estou, de guarda, no meu jardim octogonal.

Eu não quero ser vigia, respondeu o vigia.
Não quero ser um guarda.
Não quero ser um guarda dos guardas.
Mas a minha própria má consciência vigia-me e prende-me
e aqui estou, só, vagando ao vento.

Eu sou aquele que guarda a porta, observou o porteiro.
Mas ninguém me perguntou
qual era a minha vontade.



(Versão minha a partir da tradução inglesa da autora e revista por Ashraf Noor reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa Press, Iowa City, 2005, pp. 199-200)

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Jane Kenyon

Biscoito



O cão limpou a tigela
e a sua recompensa é um biscoito,
que ponho na sua boca
como um padre oferece a hóstia.

Não consigo suportar esta expressão confiante!
Ele pede pão, espera
pão e eu, com o meu poder,
poderia ter-lhe dado uma pedra.



(Versão minha; o original pode ser lido aqui).