domingo, 30 de outubro de 2011

Edward Kocbek

Dialéctica



O construtor arrasa casas,
o médico promove a morte
e o comandante dos bombeiros
é o chefe secreto dos pirómanos,
eis o que nos mostra a dialéctica inteligente -
e a bíblia diz-nos algo de parecido:
quanto mais se sobe maior é a queda
e o último será o primeiro.

O vizinho tem uma espingarda carregada em casa,
um microfone debaixo da cama
e a filha é uma informadora.
Com um ataque o vizinho vai-se abaixo,
a ligação do microfone falha,
a filha acaba por confessar.
Toda a gente se disfarça de cordeiro
quando se esgueira da caverna do ciclope.

Vinda da tenda do circo
ouço na noite música desafinada,
os sonâmbulos caminham no arame
oscilando com os seus braços indecisos,
cá de baixo os amigos gritam-lhes
para os libertarem do sono,
pois aquele que sobe deve cair
e aquele que dorme - deixem-no dormir mais profundamente.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Michael Scammell e Veno Taufer reproduzida em The poetry of survival - Post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, pp. 49-50).

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

W. S. Merwin

Queda de neve


para a minha mãe



A certa altura a altas horas
eu podia ser uma centelha subindo
a rua negra
com a minha morte a ajudar-me a subir
um eu branco a ajudar-me a subir
como um irmão
que cresce
mas esta manhã
reparo que os familiares silenciosos que amei em criança
chegaram todos juntos de noite
do país antigo
de que se lembravam
e de que todas as coisas se lembram
tomo alimento das mãos
do que durante anos foram zimbros
o sabor não mudou
estou a começar
outra vez
mas um sino toca em alguma aldeia que não conheço
nem posso ouvir
e à luz do sol solta-se a neve dos ramos
deixando o seu nome no ar
e uma única pegada

irmão



(Versão de António Ladeira; poema de Migration: New & selected poems, Copper Canyon P, Washington, 2005, pp. 174-175).

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Bernardo Atxaga

Um poema de Bernardo Atxaga destacado no blogue da revista Modo de usar & co. Obrigado, Ricardo.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Ahmad Shamlú

O horizonte claro



Um dia reencontraremos as nossas pombas
e o amor e a beleza serão colhidos à mão.

O dia
em que o mínimo canto será um beijo
e cada pessoa um irmão para a outra.

O dia em que ninguém feche a sua porta,
o cadeado se converta em relíquia
e o coração seja suficiente para viver.

O dia em que o sentido de cada palavra seja desejar,
para que não procures a última palavra.

O dia em que a melodia de cada letra seja vida
para que eu não persiga a rima do meu último poema.

O dia em que cada lábio seja canção
para que o mínimo canto seja um beijo.

O dia em que chegues e fiques para sempre
e o amor se identifique com a beleza.

O dia em que voltaremos a atirar miolo de pão às nossas pombas.

Espero esse dia,
mesmo que cá não esteja.



(Versão minha a partir da tradução de Nazanín Amirián e de Ferran Fernández reproduzida em El viento nos llevará. Poesía persa contemporánea, Los libros de la frontera, Barcelona, 2ª edição corrigida, 2006, pp. 77-78).

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Ingeborg Bachmann

Vai, pensamento



Vai, pensamento, pois ampla como uma palavra capaz de voar
é a tua asa, ergue-te e vai
onde os metais leves oscilam,
onde o ar é penetrante
com uma nova compreensão,
onde as armas falam
de um modo único.
Defende-nos aí!

A onda ergueu um tronco à deriva e agora afunda.
A febre dominou-te, deixa-te cair agora.
Não moveu a fé mais do que uma montanha.

Deixa ficar o que fica, vai, pensamento!

Superior a tudo excepto à nossa dor.
Sê tudo o que somos!



(Versão de António Ladeira a partir da tradução inglesa de Peter Filkins reproduzida em Darkness spoken, Brookline, Zephyr Press, 2006, p. 321).

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Su Tong-Po (1036-1101)

Um desejo para o meu filho



Todos desejamos ter um filho inteligente;
no entanto, a inteligência fez-me falhar a vida.
Agora quero um menino ignorante e estúpido:
sem dificuldades chegará a ministro.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Rafael Alberti e María Teresa León reproduzida em Poesía china, Visor, Madrid, 2003 (1ª edição: 1960), p. 158).

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Jüri Talvet

Surpresas climatéricas




Esperando uma justa recompensa vamos entrando nos anos.
Mais valia apascentarmos ovelhas
e, se chovesse, abrigarmo-nos debaixo de uma árvore frondosa
para escutarmos, como bons cordeiros, em paz e sossego,
as reprimendas de Deus.
Ou ir ao bosque abater árvores de modo a que
o nosso corpo laborioso se adaptasse, a pouco e pouco,
como um machado,
ao ritmo dos golpes no tronco.
Abrir um buraco, pelo menos, na solidão.
Já ninguém escreve ao coronel.
Um farsante sobe à cena e faz girar os olhos
e a poeira é removida. Louvado seja até aos céus.
Mas ao cair da noite todas as partículas dessa poeira
hão-de voltar a cobrir, imóveis, o solo.
Assim, quando de súbito começarem a soprar
ventos mais quentes
apanhar-nos-ão desprevenidos e não saberemos recordar
em que ângulo exacto deveríamos desfraldar
as velas das nossas camisas.




(Versão minha a partir da "versão em língua espanhola do autor e de Albert Lázaro Tinaut" reproduzida em Elegía estonia y otros poemas, Palmart Capitelum, Valência, 2002, p. 33).

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Ingeborg Bachmann

Estrelas de Março



É ainda muito cedo para semear. Os campos
emergem à chuva, vejo as estrelas de Março.
Como um devaneio, o universo submete-se
a equações familiares, tal como a luz
que cai e deixa a neve intacta.

Sob a neve haverá também terra
e, o que se não desintegra, o futuro alimento
do pó. Ó vento, que aumentas.
O arado rasga uma vez mais a escuridão.
Cada nova dia quererá ser maior.

É nos dias longos que somos semeados,
sem que nos peçam, nessas filas direitas ou tortas,
enquanto as estrelas, lá em cima, mergulham longe. Nos campos
vingamos ou apodrecemos, sem escolha,
à mercê da chuva e também por fim a luz.



(Versão de António Ladeira a partir da tradução inglesa de Peter Filkins reproduzida em Darkness spoken, Brookline, Zephir Press, 2006, p. 23. Deste poema existia já uma tradução de Judite Berkemeier e João Barrento reproduzida em O tempo aprazado, Assírio & Alvim, 1992, pp. 42-43).

domingo, 9 de outubro de 2011

Dan Pagis

A história



Uma vez li uma história
sobre um gafanhoto com um dia de vida,
um aventureiro verde que foi engolido
no escuro por um morcego.

Logo a seguir a isto o velho e sábio mocho
apresentou um breve discurso de consolação:
também os morcegos têm direito à vida,
e continuam a andar por aí muitos gafanhotos.

Logo a seguir a isto veio
o fim: uma página em branco.

Passaram entretanto quarenta anos.
Debruçado ainda sobre essa página em branco
não me sinto com forças
para fechar o livro.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Stephen Mitchell reproduzida em The poetry of survival - Post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, p. 224).

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Ingeborg Bachmann

Depois desta cheia



Depois desta cheia
gostava de ver a pomba,
e nada além da pomba,
ser salva uma vez mais.

Afogar-me-ia nesse mar!
se ela não escapasse,
se ela não trouxesse,
no último momento, o ramo.



(Versão de António Ladeira a partir da tradução inglesa de Peter Filkins reproduzida em Darkness spoken, Brookline, Zephyr Press, 2006, p. 315)

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Juan Antonio González Iglesias

Autorretrato como asceta inconsciente


Hoje beberei contigo num copo curto
o vinho humilde que guardei para ti faz um ano.

Horácio, traduzido
por Luis Javier Moreno



Desconheço as marcas dos vinhos mais caros.
Ungaretti é a única denominação
de origem que respeito.
Estou treinado para respirar ar.
Dormi no chão, comi no chão.
Com um trago de água mineral
honro Píndaro. Exponho
o meu corpo inteiro
às diferentes temperaturas
das quatro estações.
Retiro o meu vocabulário do atletismo.
Não me enamoro do meu próprio zeppelin.
Pedi muitas vezes esmola
às estátuas: estou acostumado
ao fracasso, ainda que saiba
que Juan Ramón Jiménez
não teve mais substância do que a que tenho eu.
Sejamos claros: tenho
uma ideia radical de liberdade.
Tal como um poeta arcaico,
amaldiçoo o dinheiro, as moedas, uma a uma.
Tal como um poeta arcaico, no entanto,
celebro a riqueza e a pobreza
porque são dons. Para ler Horácio
um livro de bolso. Isso basta-me.
Bibliofilia e tesouros, para os outros.
Os meus luxos alcançam-se com dois euros.
O universo está pintado à mão,
assegura um rapper. Subscrevo-o.
Não sou romancista. Não invento.
Não posso permitir-me mentir
nesta relação. Dou a minha palavra.
Serenidade: um litro nas minhas artérias.
Há algo
de revolucionário
na felicidade do silencioso.
Movo-me nos extremos invisíveis.
Em alguns dias, para regressar a casa, tomo
o caminho mais longo.
Noutros dias escolho diagonais.
Fora disto não consigo
explicar-me. Para além de torpe, sou
um asceta inconsciente.



(Versão minha; original reproduzido em Del lado del amor - Poesía reunida (1994-2009), Prólogo de Guillermo Carnero, Visor, Madrid, 2010, p. 188-1899).