quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Ágnes Nemes Nagy

Pássaro



Tenho um pássaro empoleirado no ombro,
um pássaro-gémeo, um pássaro que nasceu comigo.
Cresceu tanto, ficou tão pesado,
cada passo que dou é uma tortura.

Um peso morto, um peso morto, um peso morto sobre mim.
Devia deitá-lo ao chão - é tenaz,
as suas garras cravam-se no meu ombro
como as raízes de um carvalho.

A um palmo do meu ouvido: o som
do seu horrível coração de pássaro a palpitar.
Se um dia levantar voo
cairei logo por terra.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Bruce Berlind reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, pp. 211-212).

domingo, 27 de novembro de 2011

Yehuda Amichai

Instruções para uma criada de mesa



Não levantes os copos e os pratos
da mesa. Não esfregues
a nódoa da toalha. É bom sabê-lo:
antes de mim houve aqui gente.

Compro sapatos que andaram nos pés de outro.
(O meu amigo tem as suas próprias ideias.)
O meu amor é a mulher de outro homem.
A minha noite é tomada pelos sonhos.
As gotas de chuva são pintadas na minha janela,
nas margens do meus livros há anotações de outros.
No projecto da casa em que quero viver
o arquitecto desenhou estranhos junto à porta de entrada.
Na minha cama há uma almofada
com o espaço vazio de uma cabeça que já se foi.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Harold Schimmel reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, p. 79).

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Natan Zach

Contra a decisão de partir



O meu alfaiate é contra a decisão de partir.
É por isso, disse
ele, que não se vai embora;
não quer separar-se
da sua única filha. É definitivamente
contra a ideia de partir.

Uma vez partiu - afastou-se da mulher
e depois disso
nunca mais a viu (Auschwitz).
Partiu - afastou-se
das suas três irmãs e
nunca mais tomou
conta delas (Buchenwald).
Partiu uma outra vez - e afastou-se da mãe (o pai
morreu de velho). Agora
é contra a decisão de partir.

Ele era o companheiro
mais chegado do meu pai em Berlim.
Viveram
bons tempos
nessa Berlim. O tempo passou. Agora
nunca mais se vai embora. É
o mais definitivamente possível
(o meu pai morreu entretanto)
contra a ideia de partir.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Peter Everwine e Shulamit Yasny-Starkman reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, pp. 295-296).

domingo, 20 de novembro de 2011

Tai Fu Ku (século XIII)

[Tantos são os que...]



Tantos são os que correm atrás da riqueza sem descanso.
Toda a noite fazem contas, durante o dia galopam.
Passam a vida num frenesim constante, cheio de fadigas.
Não sabem que sobre o tecto das suas casas o céu é azul.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Rafael Alberti e María Teresa León reproduzida em Poesía china, Visor, Madrid, 2003 - 1ª edição: 1960 -, p. 70).

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Cristina Peri Rossi

XI



Nunca nenhuma palavra
nenhum discurso
- nem Freud, nem Martí -
serviu para deter a mão
a máquina
do torturador.
Mas quando uma palavra escrita
na margem na página na parede
serve de alívio à dor de um torturado,
a literatura faz sentido.



(Versão minha; poema reproduzido em Poesía reunida, Lumen, 2ª edição, Barcelona, 2009, p. 300).

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Sheikh Ayaz

Escreve



"Já alguma vez estiveste numa guerra? Viste
corpos a cairem na poeira?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já tiveste os lábios de uma noiva a tocar
como uma flauta os teus lábios?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já alguma vez, depois de te embriagares, fechaste os olhos
e sentiste o rio vacilar e vibrar
e deslizaste sobre ele como um cisne?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já alguma vez estiveste quase a alcançar o que querias
e, de repente, tudo te fugiu,
silenciando-te o coração como um tambor?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso. Não escrevas só
sobre o que ouviste. Não escrevas
só a partir do que os outros escreveram."



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Asif Farrukhi e Shah Mohammed Pirzada reproduzida em Modern poetry of Pakistan, organização de Iftikhar Asif e revisão das traduções de Waqas Khwaja, Dalkey Archive Press, Champaign/Londres, 2010, pp. 116-117).

sábado, 12 de novembro de 2011

Chu Lanfang (século XIV)

Um casal perfeito

(Segundo a melodia Shikuayu)



Eu sou muito tolo, tão tolo,
em todos os assuntos.
Ela é feia, tão feia,
não importa que olhos a vejam.
O tolo e a feia,
estamos bem um para o outro,
eu gosto e ela também.
Entregou-me
o seu formoso coração
e levou o meu.
Fomos os dois feitos
um para o outro.
Um casal perfeito
sem par no mundo.



(Versão minha a partir da tradução de Guojian Chen reproduzida em Lo mejor de la poesía amorosa china, Calambur, Madrid, 2007, p. 146).

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Po Chu Yi (772-846)

Os nobres e os seus cavalos enfartados



O seu ar altaneiro enche o caminho,
as suas montadas e corceis reluzem por entre o pó.
- Quem são estas gentes? - pergunto.
- São os nobres da Corte.
Cinturões vermelhos para os ministros,
barretes de franjas de cor púrpura para os generais.
Vão para o festim do exército
e os seus cavalos correm como as nuvens.
Nove qualidades de vinho transbordam das suas taças,
oito manjares requintados - colhidos à terra e ao mar - serão servidos.
Descascam-se as laranjas do Lago Tung T'ing,
cozinha-se o pescado do Lago Celeste.
Cheios, estão contentes;
ébrios, o seu orgulho aumenta.
Neste mesmo ano a seca varre o sul do rio.
Em Ch'u Chon homens comem outros homens.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Rafael Alberti e María Teresa León reproduzida em Poesía china, Visor, Madrid, 2003 (1ª ed.: 1960), p. 127).

terça-feira, 8 de novembro de 2011

W. S. Merwin

Exercício



Primeiro esquece que horas são
por uma hora
faz isto regularmente todos os dias

depois esquece em que dia da semana estás
faz isto regularmente por uma semana
depois esquece em que país estás
e pratica esta acção acompanhado
por uma semana
depois faz as duas coisas juntas
por uma semana
com tão poucas interrupções quanto possível

em seguida esquece como se adiciona
ou como se subtrai
tanto faz
podes substituir uma acção por outra
passada uma semana
ambas te ajudarão
mais tarde
a esquecer como contar

esquece como contar
a começar pela tua própria idade
a começar por como se conta para trás
a começar pelos números pares
a começar pelos números romanos

a começar pelas fracções de números romanos
a começar pelo antigo calendário
seguido do velho alfabeto
seguido do alfabeto
até ser tudo contínuo outra vez

passa então ao esquecimento dos elementos
a começar pela água
logo depois a terra
a crescer em fogo

esquece o fogo



(Versão de António Ladeira; poema de Migration: New & Selected poems, Copper Canyon P. Washington, 2005, p. 204).

sábado, 5 de novembro de 2011

Milan Rúfus

Fenos



Tosquiam uma ovelha.
O esponjoso, o brando
vai caindo, e nuvenzinhas leves,
que uma criança levantaria com os dedos,
aterram ali.

A ovelha permanece tranquila.
Tem as patas atadas com o cordel do caminho
e sabe que tem de ser.

Céu sobre nós,
sê paciente e alumia um pouco.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Alejandro Hermida de Blas reproduzida em Campanas, La Poesía, señor hidalgo, edição bilingue eslovaco-espanhol, Barcelona, 2003, p, 27).

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

W. S. Merwin

Conto



Muitos invernos depois o musgo
encontra o pó da madeira cascas esmagadas de árvore
e diz velho amigo
velho amigo



(Versão de António Ladeira; poema do livro Migration: New & Selected Poems, Copper Canyon P, Washington, 2005, p. 175).