segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Jovan Hristic

Bárbaros



Finalmente os mensageiros chegaram e anunciaram:
Vêm aí os bárbaros.
Começaram logo os preparativos para os receberem na cidade.
Jovens exaltados aclamam já os seus nomes
E apressam-se a celebrar os novos deuses.
Não defenderam os poetas que eles eram uma espécie de solução?
Agora escrevem poemas que os glorificam
Esperando por esse dia em que os declamarão publicamente
Enquanto os bárbaros - fortemente armados - os admirarão
E aplaudirão e aprenderão de cor esses versos.
Os poetas: vêem já os seus poemas em grandes caracteres
Colocados nos pórticos dos templos,
De onde as deidades impotentes foram expulsas,
E as livrarias cheias com os seus livros,
Substituindo as histórias que já não dizem nada a ninguém.

E no entanto os poetas sabem que serão os primeiros a ser enforcados em público,
Juntamente com os jovens que correram para abrir os portões
Da cidade à entrada desses que foram ansiosamente esperados,
Pois os bárbaros são bárbaros e não são solução para coisa nenhuma.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Charles Simic reproduzida em The horse has six legs - An anthology of serbian poetry; organização, tradução e introdução de Charles Simic, Graywolf Press, Saint Paul, 1992, p. 122).

Sem comentários: