sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Heberto Padilla

Poética



Diz a verdade.
Diz, ao menos, a tua verdade.
E depois
deixa que aconteça qualquer coisa:
que te rasguem a página amada,
que te derrubem a porta à pedrada,
que as gentes
se amontoem diante do teu corpo
como se fosses
um prodígio ou um morto.



(Versão minha; poema incluído em Juegos de Manos - Antología de la poesía hispanoamericana de mitad del siglo XX; organização de Ángel Esteban e Ana Gallego Cuiñas, Visor, Madrid, 2008, p. 720).

Sem comentários: