sábado, 30 de dezembro de 2017

Claudio Damiani

César



César chega pela tarde e senta-se na rua.
Caminha mal porque coxeia,
tem uma pata entorpecida
porque levou uma paulada do seu dono.
Agora não tem dono,
vagueia por aqui e por ali no bairro,
creio que lhe dão de comer
porque não pede nada, senta-se ali
e fica sossegado,
tem uns olhos tão tristes
que, se os olhas, tens vontade de chorar.
Talvez tenha carraças, e assim não lhe tocamos,
mas queríamos acariciá-lo
e apertá-lo contra nós
de tão belo e bom que é,
e queríamos dizer-lhe: César,
não és o único a ter sido abandonado,
também nós o fomos, embora não pareça,
estamos assim todos nós,
e vagueamos por aqui e por ali no bairro,
e sentamo-nos no meio da rua
e quando passa um carro
levantamo-nos lentamente e afastamo-nos,
arrastando a nossa pata entorpecida,
sem protestar, sem dizer nada.



(versão minha a partir do original e da tradução castelhana apresentada em La Poesía del Siglo XX en Italia, seleção de Emilio Coco, Visor, Madrid, 2017, pp. 670-671).

Sem comentários: