sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Eugenio Montejo

As árvores



Falam pouco as árvores, sabe-se.
Passam a vida inteira a meditar
e a agitar os seus ramos.
Basta observá-las no outono
quando se juntam nos parques:
só as mais velhas conversam,
as que partilham as nuvens e os pássaros,
mas a sua voz perde-se entre as folhas
e muito pouco nos chega, quase nada.

É difícil encher um pequeno livro
com reflexões de árvores.
Tudo nelas é vago, fragmentário.
Hoje, por exemplo, ao escutar o grito
de um tordo negro, já a caminho de casa,
grito final de quem não espera outro verão,
compreendi que na sua voz falava uma árvore,
uma de muitas,
mas não sei o que fazer com esse grito,
não sei como anotá-lo.



(versão minha; original incluído em La Poesía del Siglo XX en Venezuela; seleção de Rafael Arríz Lucca, Visor, Madrid, p. 208).

Sem comentários: