sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Haydar Ergulen

Cerimónia do chá



Mais do que a outra coisa a morte parece-se
Com a cerimónia japonesa do chá,
O silêncio é parte do ouro, pureza e harmonia,
Pausadamente os convidados aproximam a morte dos seus lábios,
Um gole de vez em quando
Debaixo da luz do dia e no seu vulgar decurso
A todos calha sempre mais um trago,
Os criados entram, quebra-se a paz destes momentos
Com o movimento dos seus calcanhares brancos a caminhar.
Como um convidado invisível ou um hóspede inesperado
Regressa a esta cerimónia
O temor da morte com as suas mãos vazias,
O véu do orgulho não está estendido
E o hara-kiri silencioso da luz do dia
É bem vindo com o seu sabre.


(versão minha a partir da tradução castelhana de Jaime B. Rosa e Metin Cengiz integrada em Poesía Contemporánea de la República de Turquía, Vision Libros, Madrid, 2013, p. 70).

Sem comentários: