segunda-feira, 3 de junho de 2019

Andrea di Consoli

"O meu pai cheira..."



O meu pai cheira a palha e a peras,
apanha um tomate, limpa-o com a mão,
começa a comê-lo.
O meu pai, quando morrer,
cheirará a ervas e a flores.
A coberto da noite os animais da terra
hão-de levá-lo para um sítio secreto.



(Versão minha a partir do original e da tradução castelhana apresentada em La Poesía del Siglo XX en Italia, seleção de Emilio Coco, Visor, Madrid, 2017, p. 781).

Sem comentários: