quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Rafael Alberti

 [Os quadros dormem?...]



Os quadros dormem? Dormem? Se eu entrar
sigilosamente, esta noite, no museu,
dormirás tu, duquesa sem vestido?
E tu, Diana, a do seio descoberto ao ar,
fugirias comigo para os jardins?


***


[A estas horas em Roma...]


A estas horas em Roma e em uníssono
a cantar despertávamos sempre
um melro e eu.
Chegada já a luz ele lançava-se em voo
da escura laranjeira daquele pátio,
eu dos meus solitários lençóis,
para, os dois, nos perdermos,
cada um por si,
já no interior do dia.


***


[Chove no comboio]


Chove no comboio.
A chuva é uma viajante.
Vai viajando nos vidros, só.
De súbito, irrompe o sol.
E a chuva desce num qualquer povoado.


***


[A lua já se vai...]


A lua já se vai, pequena, só, triste,
por entre as nespereiras.



(Versões minhas; os poemas originais foram incluídos por José Luis García Martín em Poesía española: 1982-1983 - crítica y antología; Hiperión, 1983, Madrid, pp. 151-152).

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Danusha Laméris

 Insha' Allah



Não sei quando é que resvalou para dentro do meu discurso
esta suave expressão que significa "Se Deus quiser".
Insha' Allah vou estar contigo no próximo verão.
O bebé vai chegar na primavera, insha' Allah.
Insha' Allah este ano teremos chuva em quantidade suficiente.

Foram tantos os planos que fiz tão facilmente
desfeitos como tranças sob os dedos da minha mãe.

Todas as línguas deveriam ter uma expressão para isto. Uma expressão
que as nossas avós proferiam em voz baixa
enquanto levantavam a roupa branca, embebida em limão,
e a estendiam ao sol para secar, ou quando descascavam batatas
atirando as peles cortadas para uma tigela.

"Os nossos filhos hão-de regressar no mês que vem, insha' Allah.
Insha' Allah esta guerra vai acabar em breve. Insha' Allah
o arroz será suficiente para durar todo o inverno."

Com que ligeireza aprendemos a ter esperança,
como se ela fosse um animal disposto a virar-se
e a morder-nos a mão. E ainda assim carregamo-la
como fazem as mães, cuidadosamente,
levando-a de um dia para o seguinte.



(Versão minha; original aqui).


sábado, 12 de dezembro de 2020

Maran al Masri

[Tenho medo de morrer...]



Tenho medo de morrer
sem escrever um poema belo,
sem me reconciliar com quem me aflige,
tenho medo de morrer com a roupa interior suja.

Tenho medo de morrer sem oferecer os presentes que guardo no armário,
tenho medo de morrer sem dar todo o meu amor aos que amo
aos meus irmãos
aos meus filhos
aos meus netos
ao homem que ame verdadeiramente.

Tenho medo de morrer com um beijo na boca
tenho medo de morrer
sem ver a paz na Síria.



(Versão minha a partir da tradução de António Martínez Castro incluída na Antología de poesía femenina contemporánea, organização de Virginia Fernández Collado, Fondo Kati, 2ª ed., p. 221).



domingo, 6 de dezembro de 2020

Kayal Ahmad

 Não quero flores



Não quero flores,
nenhum tempo de união,
nenhum amanhecer de desunião.
Não quero flores
porque eu sou a mais bela flor.
Não quero beijos
se por uma boneca verdadeira
tenho de suportar um qualquer homem  -
nenhum tempo de casamento,
nenhum amanhecer de divórcio,
nenhuma febre de viúva.
Não quero beijos
se, ao longo do amor, me converto em mártir.
Não quero lágrimas
sobre o caixão ou sobre mim, o cadáver.
Não quero uma cerejeira de simpatia
agarrada às paredes do meu túmulo,
nem beijos, nem flores,
nem lágrimas ou desgraças.
Nada trazer.
Nada manter.
Morro como uma pátria sem bandeira, e sem voz.
Estou agradecida.
Não quero nada.
Não aceitarei nada.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Mohsen Emadi, incluída na Antología de poesía femenina contemporánea; organização de Virginia Fernández Collado, Fondo Kati, 2ª edição, p. 195).