domingo, 7 de setembro de 2008

Samih al-Qasim

Como me transformei num artigo



Eles mataram-me uma vez
Agora exibem o meu rosto vezes infinitas



****



Fim de um debate com um carcereiro



Do postigo da minha estreita cela
posso avistar árvores sorrindo-me,
telhados repletos com a minha gente,
janelas chorando e rezando por mim.
Do postigo da minha estreita cela
posso avistar a tua imensa cela.




****



Eternidade




Folhas caem de quando em quando
No entanto o tronco do carvalho



****



Bilhetes de viagem



No dia em que me matares
Encontrarás no meu bolso
Bilhetes de viagem
Para a paz,
Para os campos e a chuva,
Para a consciência do povo.
Não os desperdices.



(versões minhas a partir das traduções inglesas de Abdullah al-Udhari reproduzidas em Victims of a Map: a bilingual anthology of arabic poetry, SAQI, London, 2005, pp. 71, 77, 79 e 59).

1 comentário:

A.Z. Foreman disse...

Você fez algumas escolhas interessantes em relação a sua tradução de "Bilhetes de viagem." Várias secções são contratadas ou truncadas. Talvez seja a causa da tradução Inglês de "Abdullah al-Udhari."

Em qualquer caso, aqui está uma tradução literal da versão em árabe:

Em um dia em que alguém me matará,
O matador encontrará bilhetes de viagem no meu bolso:
Um para a paz,
Um para os campos e a chuva,
E um para a consciência do povo.
Caro assassino,
Por favor, não desperdices as bilhetes.
Caro assassino:
Viaja, por favor.