sábado, 31 de dezembro de 2011

Robert Duncan (1919-1988)

Entre os meus amigos



Entre os meus amigos o amor é uma grande tristeza.
Tornou-se um fardo diário, um festim,
uma guloseima para loucos, uma fome para o coração.
Visitamo-nos uns aos outros perguntando, dizendo uns aos outros.
Não ardemos intensamente, questionamos o fogo.
Não caímos para a frente com os nossos rostos vivos
e ardentes a olhar para dentro do fogo.
Fixamente olhamos para dentro dos nossos próprios rostos.
Tornámo-nos as nossas próprias realidades.
Procuramos esgotar a nossa absoluta incapacidade de amor.

Entre os meus amigos o amor é uma questão dolorosa.
Procuramos entre os rostos que passam
a face da esfinge que apresentará o enigma.
Entre os meus amigos o amor é uma resposta a uma questão
que não chegou a ser colocada.
Por isso coloquemo-la.

Entre os meus amigos o amor é um pagamento.
É uma dívida antiga cujo valor foi gasto de uma forma idiota.
E continuamos a pedir emprestado uns aos outros.
Entre os meus amigos o amor é um salário
que qualquer um pode receber para ter uma vida honesta.



(Versão minha, recuperada, feita com a colaboração de C. e de C., e dedicada a J., a P.B. e a todos os leitores deste blogue; original reproduzido em City Lights Pocket Poets Anthology, organização de Lawrence Ferlinghetti, City Lights Books, São Francisco, 3ª edição, 1997, p. 44).

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Semyon Kirsanov (1906-1972)

O novo coração



Ando ocupado!
Ando a construir
um modelo de um coração
inteiramente
novo!

Um coração
para o futuro: com o qual sinta
e ame. Um coração
com o qual compreenda os homens:

E que me diga também quem
devo livremente
cumprimentar com a minha mão -

e a quem
nunca deverei
estendê-la.



(Versão minha, recuperada, feita a partir da tradução inglesa de Anselm Hollo reproduzida em City Lights Pocket Poets Anthology, organização de Lawrence Ferlinghetti, City Lights Books, São Francisco, 3ª edição, 1997, p. 81).

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Feng Menglong (1574-1646)

O amor


Segundo a melodia Guazhier



Quando estás irritada comigo,
parece que te ris para mim.
Quando me chegas a roupa ao pelo,
aguento e aprecio o teu ar de coquete.
Quando armas confusão por minha causa,
oiço-te a chamares-me querido.
Gosto tanto da tua voz quando me gritas,
e tanto dos teus braços quando me agarras.
Pareces-me linda quando estás contente,
mas ficas ainda mais bela
quando te mostras furiosa ou ressentida.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Guojian Chen reproduzida em Lo mejor de la poesía amorosa china, Calambur, Madrid, 2007, p. 152).

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Eeva Kilpi

["Quando alguém já não tem forças..."]



Quando alguém já não tem forças para escrever, tem de recordar.
Quando já não tem forças para fotografar,
tem de ver com os olhos da alma.
Quando já não tem forças para ler,
tem de estar repleto de histórias.
Quando já não tem forças para falar,
tem de ecoar.

Quando alguém já não tem forças para andar, tem de voar.

E quando chega a hora,
tem de se desprender das recordações
e dos olhos da alma e deixar de ressoar,
calar-se e dobrar as asas.

Mas aconteça o que acontecer a história continua, continua.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Francisco J. Uriz reproduzida em Poesía nórdica, Ediciones de la Torre, 2ª edição, Madrid, 1999, p. 128).

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Jerzy Ficowski

["nada fiz para salvar..."]



nada fiz para salvar
uma só vida

nada fiz para impedir
uma bala que fosse

e ando por cemitérios
que não existem
procuro palavras
que não existem
corro

para ajudar em sítios onde ninguém chamou
para salvar depois das coisas acontecerem

mesmo que esteja atrasado
eu quero chegar a tempo



(Versão minha a paritr da tradução inglesa de Keith Bosley e Krystyna Wandycs reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, pp. 131-132).

domingo, 18 de dezembro de 2011

Ghani Khan

Pergunta ou resposta



Responde, mullah, responde!
A vida é uma pergunta ou uma resposta?
É uma consumação do amor ou uma obsessão doentia?
Repouso ou agitação?
A vida é um imã ou uma amante?
O púlpito ou a sala do trono?
Ou, num mundo voluntarioso,
a ilusão de um sonho encantado?
Um momento para arrebatar a luz
a partir da escuridão do universo?
A vida é uma pergunta ou uma resposta?
Responde, mullah, responde!
A vida é o Faraó e a ousadia -
ou a sua loucura e euforia?
É o trono de ouro de Nimrod,
ou a sinistra morte de Mansur?
Adorável, cheia de sorrisos,
ou Yazid, inchado de orgulho?
É a primavera, ou a rosa,
meio escondida do olhar?
A vida é uma pergunta ou uma resposta?
Responde, mullah, responde!
Um copo de vinho intoxicante,
ou a tigela partida de um mendigo?
O rosto aturdido de Khyyana,
ou o sagaz semblante do tolo Bahlol?
Uma rosa de jardim salpicada de cores,
ou a garantia de espinhos acutilantes?
É uma fuga ou um voo?
Um voo a partir de si próprio?
É uma pergunta ou uma resposta?
Responde, mullah, responde!
A vida é beleza que se propaga -
ou beleza que se extingue?
Música que lamenta o seu próprio fracasso,
ou uma chama ardente?
Há ainda um lugar de repouso no caminho,
ou apenas respiração em busca de outra respiração?
A vida é os baldes de uma nora de tirar água,
uns vazios, outros cheios?
Ou luz que se expande eternamente,
inconsciente da sua glória?
A vida é uma pergunta ou uma resposta?
Responde, mullah, responde!



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Sher Zaman Taizi e de Revez Sheikh reproduzida em Modern poetry of Pakistan, organização de Iftikhar Arif; revisão das traduções de Waqas Khwaja, Dalkey Archive Press, Champaign e Londres, 2010, pp. 96-97)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Cristina Peri Rossi

Projectos



Poderíamos ter um filho
e levá-lo ao jardim zoológico aos domingos.
Poderíamos esperá-lo
à saída do colégio.
Ele iria descobrindo
na procissão das nuvens
toda a pré-história.
Poderíamos com ele fazer anos.

Mas não gostaria que ao chegar à puberdade
um fascista de merda lhe desse um tiro.



(Versão minha; poema incluído em Poesía reunida, Lumen, Barcelona, 2ª edição, 2009, p. 221).

domingo, 11 de dezembro de 2011

Claes Andersson

[Roubai-nos e chamai-lhe...]



Roubai-nos e chamai-lhe economia nacional.
Tirai-nos as nossas casas e chamai-lhe planificação regional.
Humilhai-nos e chamai-lhe assistência social.
Tornai-nos loucos e chamai-lhe higiene mental.
Envenenai-nos e chamai-lhe conservação do meio ambiente.
Adormecei-nos e chamai-lhe ideologia de consumo.
Deixai-nos no desemprego e chamai-lhe reconversão.
Confundi-nos e chamai-lhe publicidade.
Vendei os nossos corpos e chamai-lhe liberdade sexual.
Enganai-nos e chamai-lhe política de rendimentos.
Coisificai-nos e chamai-lhe nível de vida.
Escarnecei do nosso trabalho e chamai-lhe jubilação antecipada.
Menti-nos e chamai-lhe liberdade de expressão.
Tiranizai-nos e chamai-lhe democracia.

(1974)


(Versão minha a partir da tradução castelhana de Francisco J. Uriz reproduzida em Poesía nórdica, organização de F. J. Uriz, Ediciones de la Torre, 2ª edição, Madrid, 1999, p. 180).

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Karmelo C. Iribarren

O resto é conversa

Para os Legorburu Arzamendi



A minha mulher e a minha filha,
estas paredes e estes livros,
um punhado de amigos
que me querem bem
- e dos quais gosto de verdade -,
as ondas do cantábrico
em setembro,
três bares, quatro
contando com o clandestino da praia.
Ainda que saiba que deixo
algumas coisas, posso dizer
que, a ser algo, será esta a minha pátria.
O resto é conversa.



(Versão minha; poema reproduzido em Seguro que esta historia te suena - Poesía completa (1985-2005), Renacimiento, Sevilla, 2005, p. 185).

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Ágnes Nemos Nagy

[Eu carreguei estátuas...]



Eu carreguei estátuas para dentro do navio,
as suas faces enormes e anónimas.
Eu carreguei estátuas para dentro do navio
que seguia para a ilha, para as colocar no seu lugar.
Entre a orelha e o nariz
havia um ângulo de noventa graus,
no resto as suas faces eram vazias.
Eu carreguei estátuas para dentro do navio e
assim fui ao fundo.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Bruce Berlind reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, p 209).

domingo, 4 de dezembro de 2011

Li Yanniam (? - 87 a. C.)

A minha canção


No norte há uma jovem muito bela,
uma beleza sem igual.
Um olhar seu é suficiente
para conquistar a cidade.
Um outro olhar basta
para dominar um reino.
Eu preferia tê-la
a subjugar uma capital
ou todo um império.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Guojian Chen reproduzida em Lo mejor de la poesía amorosa china, Calambur, Madrid, 2007, p. 36).

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Esclarecimento & agradecimento aos leitores que escrevem comentários neste blogue

Caríssimos leitores,

Por motivos alheios à minha vontade, não tenho conseguido responder, nos últimos tempos, aos diversos comentários que têm deixado na caixa de comentários. Não sei porquê, mas o blogger não mo tem permitido. Espero que o problema se resolva em breve, desejando, também, que possam continuar a ler e a comentar os poemas que aqui vão sendo passados para português. Agradeço - a todos - as palavras de simpatia e incentivo que me têm dirigido.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Ágnes Nemes Nagy

Pássaro



Tenho um pássaro empoleirado no ombro,
um pássaro-gémeo, um pássaro que nasceu comigo.
Cresceu tanto, ficou tão pesado,
cada passo que dou é uma tortura.

Um peso morto, um peso morto, um peso morto sobre mim.
Devia deitá-lo ao chão - é tenaz,
as suas garras cravam-se no meu ombro
como as raízes de um carvalho.

A um palmo do meu ouvido: o som
do seu horrível coração de pássaro a palpitar.
Se um dia levantar voo
cairei logo por terra.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Bruce Berlind reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, pp. 211-212).

domingo, 27 de novembro de 2011

Yehuda Amichai

Instruções para uma criada de mesa



Não levantes os copos e os pratos
da mesa. Não esfregues
a nódoa da toalha. É bom sabê-lo:
antes de mim houve aqui gente.

Compro sapatos que andaram nos pés de outro.
(O meu amigo tem as suas próprias ideias.)
O meu amor é a mulher de outro homem.
A minha noite é tomada pelos sonhos.
As gotas de chuva são pintadas na minha janela,
nas margens do meus livros há anotações de outros.
No projecto da casa em que quero viver
o arquitecto desenhou estranhos junto à porta de entrada.
Na minha cama há uma almofada
com o espaço vazio de uma cabeça que já se foi.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Harold Schimmel reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, p. 79).

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Natan Zach

Contra a decisão de partir



O meu alfaiate é contra a decisão de partir.
É por isso, disse
ele, que não se vai embora;
não quer separar-se
da sua única filha. É definitivamente
contra a ideia de partir.

Uma vez partiu - afastou-se da mulher
e depois disso
nunca mais a viu (Auschwitz).
Partiu - afastou-se
das suas três irmãs e
nunca mais tomou
conta delas (Buchenwald).
Partiu uma outra vez - e afastou-se da mãe (o pai
morreu de velho). Agora
é contra a decisão de partir.

Ele era o companheiro
mais chegado do meu pai em Berlim.
Viveram
bons tempos
nessa Berlim. O tempo passou. Agora
nunca mais se vai embora. É
o mais definitivamente possível
(o meu pai morreu entretanto)
contra a ideia de partir.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Peter Everwine e Shulamit Yasny-Starkman reproduzida em The poetry of survival - post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, pp. 295-296).

domingo, 20 de novembro de 2011

Tai Fu Ku (século XIII)

[Tantos são os que...]



Tantos são os que correm atrás da riqueza sem descanso.
Toda a noite fazem contas, durante o dia galopam.
Passam a vida num frenesim constante, cheio de fadigas.
Não sabem que sobre o tecto das suas casas o céu é azul.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Rafael Alberti e María Teresa León reproduzida em Poesía china, Visor, Madrid, 2003 - 1ª edição: 1960 -, p. 70).

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Cristina Peri Rossi

XI



Nunca nenhuma palavra
nenhum discurso
- nem Freud, nem Martí -
serviu para deter a mão
a máquina
do torturador.
Mas quando uma palavra escrita
na margem na página na parede
serve de alívio à dor de um torturado,
a literatura faz sentido.



(Versão minha; poema reproduzido em Poesía reunida, Lumen, 2ª edição, Barcelona, 2009, p. 300).

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Sheikh Ayaz

Escreve



"Já alguma vez estiveste numa guerra? Viste
corpos a cairem na poeira?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já tiveste os lábios de uma noiva a tocar
como uma flauta os teus lábios?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já alguma vez, depois de te embriagares, fechaste os olhos
e sentiste o rio vacilar e vibrar
e deslizaste sobre ele como um cisne?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já alguma vez estiveste quase a alcançar o que querias
e, de repente, tudo te fugiu,
silenciando-te o coração como um tambor?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso. Não escrevas só
sobre o que ouviste. Não escrevas
só a partir do que os outros escreveram."



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Asif Farrukhi e Shah Mohammed Pirzada reproduzida em Modern poetry of Pakistan, organização de Iftikhar Asif e revisão das traduções de Waqas Khwaja, Dalkey Archive Press, Champaign/Londres, 2010, pp. 116-117).

sábado, 12 de novembro de 2011

Chu Lanfang (século XIV)

Um casal perfeito

(Segundo a melodia Shikuayu)



Eu sou muito tolo, tão tolo,
em todos os assuntos.
Ela é feia, tão feia,
não importa que olhos a vejam.
O tolo e a feia,
estamos bem um para o outro,
eu gosto e ela também.
Entregou-me
o seu formoso coração
e levou o meu.
Fomos os dois feitos
um para o outro.
Um casal perfeito
sem par no mundo.



(Versão minha a partir da tradução de Guojian Chen reproduzida em Lo mejor de la poesía amorosa china, Calambur, Madrid, 2007, p. 146).

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Po Chu Yi (772-846)

Os nobres e os seus cavalos enfartados



O seu ar altaneiro enche o caminho,
as suas montadas e corceis reluzem por entre o pó.
- Quem são estas gentes? - pergunto.
- São os nobres da Corte.
Cinturões vermelhos para os ministros,
barretes de franjas de cor púrpura para os generais.
Vão para o festim do exército
e os seus cavalos correm como as nuvens.
Nove qualidades de vinho transbordam das suas taças,
oito manjares requintados - colhidos à terra e ao mar - serão servidos.
Descascam-se as laranjas do Lago Tung T'ing,
cozinha-se o pescado do Lago Celeste.
Cheios, estão contentes;
ébrios, o seu orgulho aumenta.
Neste mesmo ano a seca varre o sul do rio.
Em Ch'u Chon homens comem outros homens.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Rafael Alberti e María Teresa León reproduzida em Poesía china, Visor, Madrid, 2003 (1ª ed.: 1960), p. 127).

terça-feira, 8 de novembro de 2011

W. S. Merwin

Exercício



Primeiro esquece que horas são
por uma hora
faz isto regularmente todos os dias

depois esquece em que dia da semana estás
faz isto regularmente por uma semana
depois esquece em que país estás
e pratica esta acção acompanhado
por uma semana
depois faz as duas coisas juntas
por uma semana
com tão poucas interrupções quanto possível

em seguida esquece como se adiciona
ou como se subtrai
tanto faz
podes substituir uma acção por outra
passada uma semana
ambas te ajudarão
mais tarde
a esquecer como contar

esquece como contar
a começar pela tua própria idade
a começar por como se conta para trás
a começar pelos números pares
a começar pelos números romanos

a começar pelas fracções de números romanos
a começar pelo antigo calendário
seguido do velho alfabeto
seguido do alfabeto
até ser tudo contínuo outra vez

passa então ao esquecimento dos elementos
a começar pela água
logo depois a terra
a crescer em fogo

esquece o fogo



(Versão de António Ladeira; poema de Migration: New & Selected poems, Copper Canyon P. Washington, 2005, p. 204).

sábado, 5 de novembro de 2011

Milan Rúfus

Fenos



Tosquiam uma ovelha.
O esponjoso, o brando
vai caindo, e nuvenzinhas leves,
que uma criança levantaria com os dedos,
aterram ali.

A ovelha permanece tranquila.
Tem as patas atadas com o cordel do caminho
e sabe que tem de ser.

Céu sobre nós,
sê paciente e alumia um pouco.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Alejandro Hermida de Blas reproduzida em Campanas, La Poesía, señor hidalgo, edição bilingue eslovaco-espanhol, Barcelona, 2003, p, 27).

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

W. S. Merwin

Conto



Muitos invernos depois o musgo
encontra o pó da madeira cascas esmagadas de árvore
e diz velho amigo
velho amigo



(Versão de António Ladeira; poema do livro Migration: New & Selected Poems, Copper Canyon P, Washington, 2005, p. 175).

domingo, 30 de outubro de 2011

Edward Kocbek

Dialéctica



O construtor arrasa casas,
o médico promove a morte
e o comandante dos bombeiros
é o chefe secreto dos pirómanos,
eis o que nos mostra a dialéctica inteligente -
e a bíblia diz-nos algo de parecido:
quanto mais se sobe maior é a queda
e o último será o primeiro.

O vizinho tem uma espingarda carregada em casa,
um microfone debaixo da cama
e a filha é uma informadora.
Com um ataque o vizinho vai-se abaixo,
a ligação do microfone falha,
a filha acaba por confessar.
Toda a gente se disfarça de cordeiro
quando se esgueira da caverna do ciclope.

Vinda da tenda do circo
ouço na noite música desafinada,
os sonâmbulos caminham no arame
oscilando com os seus braços indecisos,
cá de baixo os amigos gritam-lhes
para os libertarem do sono,
pois aquele que sobe deve cair
e aquele que dorme - deixem-no dormir mais profundamente.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Michael Scammell e Veno Taufer reproduzida em The poetry of survival - Post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, pp. 49-50).

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

W. S. Merwin

Queda de neve


para a minha mãe



A certa altura a altas horas
eu podia ser uma centelha subindo
a rua negra
com a minha morte a ajudar-me a subir
um eu branco a ajudar-me a subir
como um irmão
que cresce
mas esta manhã
reparo que os familiares silenciosos que amei em criança
chegaram todos juntos de noite
do país antigo
de que se lembravam
e de que todas as coisas se lembram
tomo alimento das mãos
do que durante anos foram zimbros
o sabor não mudou
estou a começar
outra vez
mas um sino toca em alguma aldeia que não conheço
nem posso ouvir
e à luz do sol solta-se a neve dos ramos
deixando o seu nome no ar
e uma única pegada

irmão



(Versão de António Ladeira; poema de Migration: New & selected poems, Copper Canyon P, Washington, 2005, pp. 174-175).

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Bernardo Atxaga

Um poema de Bernardo Atxaga destacado no blogue da revista Modo de usar & co. Obrigado, Ricardo.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Ahmad Shamlú

O horizonte claro



Um dia reencontraremos as nossas pombas
e o amor e a beleza serão colhidos à mão.

O dia
em que o mínimo canto será um beijo
e cada pessoa um irmão para a outra.

O dia em que ninguém feche a sua porta,
o cadeado se converta em relíquia
e o coração seja suficiente para viver.

O dia em que o sentido de cada palavra seja desejar,
para que não procures a última palavra.

O dia em que a melodia de cada letra seja vida
para que eu não persiga a rima do meu último poema.

O dia em que cada lábio seja canção
para que o mínimo canto seja um beijo.

O dia em que chegues e fiques para sempre
e o amor se identifique com a beleza.

O dia em que voltaremos a atirar miolo de pão às nossas pombas.

Espero esse dia,
mesmo que cá não esteja.



(Versão minha a partir da tradução de Nazanín Amirián e de Ferran Fernández reproduzida em El viento nos llevará. Poesía persa contemporánea, Los libros de la frontera, Barcelona, 2ª edição corrigida, 2006, pp. 77-78).

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Ingeborg Bachmann

Vai, pensamento



Vai, pensamento, pois ampla como uma palavra capaz de voar
é a tua asa, ergue-te e vai
onde os metais leves oscilam,
onde o ar é penetrante
com uma nova compreensão,
onde as armas falam
de um modo único.
Defende-nos aí!

A onda ergueu um tronco à deriva e agora afunda.
A febre dominou-te, deixa-te cair agora.
Não moveu a fé mais do que uma montanha.

Deixa ficar o que fica, vai, pensamento!

Superior a tudo excepto à nossa dor.
Sê tudo o que somos!



(Versão de António Ladeira a partir da tradução inglesa de Peter Filkins reproduzida em Darkness spoken, Brookline, Zephyr Press, 2006, p. 321).

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Su Tong-Po (1036-1101)

Um desejo para o meu filho



Todos desejamos ter um filho inteligente;
no entanto, a inteligência fez-me falhar a vida.
Agora quero um menino ignorante e estúpido:
sem dificuldades chegará a ministro.



(Versão minha a partir da tradução espanhola de Rafael Alberti e María Teresa León reproduzida em Poesía china, Visor, Madrid, 2003 (1ª edição: 1960), p. 158).

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Jüri Talvet

Surpresas climatéricas




Esperando uma justa recompensa vamos entrando nos anos.
Mais valia apascentarmos ovelhas
e, se chovesse, abrigarmo-nos debaixo de uma árvore frondosa
para escutarmos, como bons cordeiros, em paz e sossego,
as reprimendas de Deus.
Ou ir ao bosque abater árvores de modo a que
o nosso corpo laborioso se adaptasse, a pouco e pouco,
como um machado,
ao ritmo dos golpes no tronco.
Abrir um buraco, pelo menos, na solidão.
Já ninguém escreve ao coronel.
Um farsante sobe à cena e faz girar os olhos
e a poeira é removida. Louvado seja até aos céus.
Mas ao cair da noite todas as partículas dessa poeira
hão-de voltar a cobrir, imóveis, o solo.
Assim, quando de súbito começarem a soprar
ventos mais quentes
apanhar-nos-ão desprevenidos e não saberemos recordar
em que ângulo exacto deveríamos desfraldar
as velas das nossas camisas.




(Versão minha a partir da "versão em língua espanhola do autor e de Albert Lázaro Tinaut" reproduzida em Elegía estonia y otros poemas, Palmart Capitelum, Valência, 2002, p. 33).

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Ingeborg Bachmann

Estrelas de Março



É ainda muito cedo para semear. Os campos
emergem à chuva, vejo as estrelas de Março.
Como um devaneio, o universo submete-se
a equações familiares, tal como a luz
que cai e deixa a neve intacta.

Sob a neve haverá também terra
e, o que se não desintegra, o futuro alimento
do pó. Ó vento, que aumentas.
O arado rasga uma vez mais a escuridão.
Cada nova dia quererá ser maior.

É nos dias longos que somos semeados,
sem que nos peçam, nessas filas direitas ou tortas,
enquanto as estrelas, lá em cima, mergulham longe. Nos campos
vingamos ou apodrecemos, sem escolha,
à mercê da chuva e também por fim a luz.



(Versão de António Ladeira a partir da tradução inglesa de Peter Filkins reproduzida em Darkness spoken, Brookline, Zephir Press, 2006, p. 23. Deste poema existia já uma tradução de Judite Berkemeier e João Barrento reproduzida em O tempo aprazado, Assírio & Alvim, 1992, pp. 42-43).

domingo, 9 de outubro de 2011

Dan Pagis

A história



Uma vez li uma história
sobre um gafanhoto com um dia de vida,
um aventureiro verde que foi engolido
no escuro por um morcego.

Logo a seguir a isto o velho e sábio mocho
apresentou um breve discurso de consolação:
também os morcegos têm direito à vida,
e continuam a andar por aí muitos gafanhotos.

Logo a seguir a isto veio
o fim: uma página em branco.

Passaram entretanto quarenta anos.
Debruçado ainda sobre essa página em branco
não me sinto com forças
para fechar o livro.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Stephen Mitchell reproduzida em The poetry of survival - Post-war poets of central and eastern europe, organização de Daniel Weissbort, Peguin Books, 2ª edição, Londres, 1993, p. 224).

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Ingeborg Bachmann

Depois desta cheia



Depois desta cheia
gostava de ver a pomba,
e nada além da pomba,
ser salva uma vez mais.

Afogar-me-ia nesse mar!
se ela não escapasse,
se ela não trouxesse,
no último momento, o ramo.



(Versão de António Ladeira a partir da tradução inglesa de Peter Filkins reproduzida em Darkness spoken, Brookline, Zephyr Press, 2006, p. 315)

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Juan Antonio González Iglesias

Autorretrato como asceta inconsciente


Hoje beberei contigo num copo curto
o vinho humilde que guardei para ti faz um ano.

Horácio, traduzido
por Luis Javier Moreno



Desconheço as marcas dos vinhos mais caros.
Ungaretti é a única denominação
de origem que respeito.
Estou treinado para respirar ar.
Dormi no chão, comi no chão.
Com um trago de água mineral
honro Píndaro. Exponho
o meu corpo inteiro
às diferentes temperaturas
das quatro estações.
Retiro o meu vocabulário do atletismo.
Não me enamoro do meu próprio zeppelin.
Pedi muitas vezes esmola
às estátuas: estou acostumado
ao fracasso, ainda que saiba
que Juan Ramón Jiménez
não teve mais substância do que a que tenho eu.
Sejamos claros: tenho
uma ideia radical de liberdade.
Tal como um poeta arcaico,
amaldiçoo o dinheiro, as moedas, uma a uma.
Tal como um poeta arcaico, no entanto,
celebro a riqueza e a pobreza
porque são dons. Para ler Horácio
um livro de bolso. Isso basta-me.
Bibliofilia e tesouros, para os outros.
Os meus luxos alcançam-se com dois euros.
O universo está pintado à mão,
assegura um rapper. Subscrevo-o.
Não sou romancista. Não invento.
Não posso permitir-me mentir
nesta relação. Dou a minha palavra.
Serenidade: um litro nas minhas artérias.
Há algo
de revolucionário
na felicidade do silencioso.
Movo-me nos extremos invisíveis.
Em alguns dias, para regressar a casa, tomo
o caminho mais longo.
Noutros dias escolho diagonais.
Fora disto não consigo
explicar-me. Para além de torpe, sou
um asceta inconsciente.



(Versão minha; original reproduzido em Del lado del amor - Poesía reunida (1994-2009), Prólogo de Guillermo Carnero, Visor, Madrid, 2010, p. 188-1899).

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Jane Kenyon

A camisa



A camisa toca o seu pescoço
e alisa-se ao longo das suas costas;
desliza-lhe pelos flancos
e desce mesmo para além do seu cinto -
para dentro das suas calças.
Afortunada camisa.



(Versão minha a partir do original e da tradução espanhola de Hilario Barrero reproduzidos em De otra manera, Pre-Textos, Valencia, 2007, pp. 46-47).

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Daniel Nyikos

Sopa de batata



Instalo o computador e a webcâmara na cozinha
para pedir ajuda à minha mãe e à minha tia
enquanto faço sopa sozinho pela primeira vez.
A minha mãe está no Utah. A minha tia na Hungria.
Com a câmara mostro as cebolas à minha mãe.
"Corta-as em pedaços mais pequenos", aconselha-me ela.
"Só precisas de dar um bocadinho de gosto."
Corto as batatas enquanto as cebolas ficam a refogar na panela.
Quando menciono que não tenho paprika para juntar ao caldo,
elas argumentam que assim é duvidoso que lhe possamos chamar sopa de batata.
A minha mãe diz que será uma sopa branca de batata,
a minha tia diz que a sopa de batata tem de ser vermelha.
Ao acrescentar os pimentos em fatias
pergunto várias vezes se devo juntar água,
mas dizem-me ambas que espere até juntar as batatas.
Adiciono salsichas polacas porque não arranjei húngaras,
e cozo-as durante tanto tempo que as batatas se desfazem.
"Fizeste um guisado", diz a minha mãe
quando mostro o conteúdo da panela através da câmara.
Elas riem-se e dizem que tenho de casar rapidamente.
Eu desligo o computador e como sozinho.



(Versão minha; o original pode ser lido aqui).

domingo, 25 de setembro de 2011

Amal Al-Jaburi

Protesto



Por que o censuras
e o mandas embora?
E porque o amaldiçoas?
Ajoelhar-se não é digno de Adão.

Adão, tu que arruinaste a minha vida...
Escuta: um dia, em sinal de arrependimento, o Senhor
vai revogar
a Sua decisão.
Como é que Ele pôde conceber-te como o guardião
o profeta
o assassino
o chefe
o senhor e o escravo
o pai e o filho?
E tu,
tu não és mais
do que um par de botas estragadas.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Salih J. Altoma reproduzida em The poetry of arab women - A contemporary anthology, organização de Nathalie Handal, Interlink Books, Nova Iorque/Northampton, 2001, p. 135).

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Etel Adnan

A primavera floresce à sua maneira



Uma borboleta vem morrer
entre duas pedras
aos pés da montanha
a montanha derrama sombras
sobre ela
para esconder o segredo da
morte.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Addelwahab M. Elmessiri reproduzida em The poetry of arab women - A contemporary anhthology, organização de Nathalie Handal, Interlink Books, Nova Iorque/Northampton, 2001, p. 75).

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Lamea Abbas Amara

Os mandamentos



Segundo a lei todos os nãos transformam-se em sins.
Não mintas.
Mente!
Mas insiste nisso
regista-o
dá-lhe corpo e olhos.
Não roubes.
Rouba, mas sê inteligente
e generoso
com os pobres.
Não cometas adultério.
Casa-te, divorcia-te, casa-te, etc.
Tem cuidado com os males da sociedade.
Atribui as culpas ao diabo e às tuas fraquezas.
Não mates.
Mata, mas quando não houver testemunhas.
Ou começa uma guerra,
pois o assassínio no glorioso campo de batalha é eterno.
Não levantes falsos testemunhos.
Fá-lo.
Não roubes.
Rouba, saqueia, assassina
enquanto houver juristas.
Desculpa-me.
Isto é injusto.
Nós defendemos a justiça através da aplicação da lei.
Justiça?!!
Onde está a justiça
quando cada caso tem dois advogados?
E cada moeda duas faces
tal como a justiça,
tal como a liberdade.




(Versão minha a partir da tradução inglesa de Mike Maggio reproduzida em The poetry of arab women - A contemporary anthology, organização de Nathalie Handal, Interlink Books, Nova Iorque/Northampton, 2001, pp. 80-81).

sábado, 17 de setembro de 2011

Elena Fanailova

O álbum de Frida Kahlo



(Pálida) Frida senta-se com uma touca, senta-se junto à tela,
Uma saia rendada, avental, brincos, tranças em espiral,
A morte na sua mão esquerda, Diego decapitado na direita,
Um cordão umbilical liga-os, as veias, os filamentos que parecem cabos eléctricos,
Uma bola de cristal suspensa por um fio mais atrás
Mostrando céus, aposentos, pessoas, um oceano,
O seu coração pára, pulsa na garganta,
A erva cobriu-lhe a cama,
Frida senta-se nela como um ídolo de pedra.
No ar paira uma Mãe de Deus, uma Frida crucificada jaz num berço,
Uma Frida crucificada estende-se ali
Diego está com Paulette Goddard
Frida senta-se como uma rainha, xailes, pregadeiras, flores no cabelo,
Reparem nas suas lágrimas, nas medalhas, pulseiras, contas, bordados, fitas, pendentes, franjas,
Bonecas mortas deitadas ao seu lado, imagens (retratos) de líderes
penduradas na cabeceira da cama,
Frida senta-se ali sustentada por aduelas, coberta de crostas,
A erva cobre-lhe a cama
A erva emerge da sua cabeça
Diego está com María Felix
Frida está vestida como um rapazinho, vejam os cigarros,
as pedras, os cristais, pedacinhos de mica,
O seu macaco abraça-a, os seus papagaios, mulheres afogando-se no ar,
Estrelas nas suas orelhas, espelhos no jardim, laços,
Cadáveres, corças, estranhas raças de cães,
O falecido Príncipe Dimas
Anjos ceifados pelo coração,
perfurados através do peito dela
Frida está com Lucienne Bloch
Frida está com Eva Frederick
Frida está em casa com a sua mulher Lupe Marín
Frida está num berço, Diego está de luto,
reparem nas cartas, casamento,
casa-que-mente,
Há duas Fridas, Fridas duas há



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Stephanie Sandler reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa, Iowa City, 2005, pp.37-38).


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Marina Boroditskaya

Carta musical



Olá, Senhor!
Escreve-te
um poeta menor,
uma voz do coro,
um pequeno pinheiro do pinhal,
um clarinete na orquestra da escola.

Achas que é assim tão
fácil, Senhor,
ser uma voz no coro,
um peixe na água,
não perturbar a Tua ordem?
Pior, porém, é o destino gelado
desses que foram feitos para serem
o primeiro violino
ou o pico mais alto da montanha.

A nós não nos custa nada afundar,
ano sim ano sim, dia após dia,
as nossas raízes no mais fundo
e praticar as nossas escalas
esperando que o maestro,
posicionado no seu lugar,
aponte a sua batuta -
então um solo sublime começa a soar
levando às lágrimas as próprias montanhas.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Ruth Fainlight reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa Press, Iowa Press, 2005, pp. 19-20).

domingo, 11 de setembro de 2011

Inna Kabish

Fazer compota em julho



Uma mulher a fazer compota em julho
revela-se resignada a viver com o marido.
Não vai fugir às escondidas com o amante.
Se assim não fosse, de que serviria cozer fruta com açúcar?
E vejam como ela o faz de boa vontade,
como um trabalho feito com amor,
mesmo que o espaço tenha um valor excessivo
e não haja sítio para armazenar os boiões.

Uma mulher a fazer compota em julho
está a preparar-se para ficar por aqui durante uns tempos.
Pretende aquartelar-se e hibernar
para atravessar os desconfortos do inverno.
Se assim não fosse, por que razão - e, notem,
sem que haja nisso qualquer dever -
gastaria ela o verão tão breve
a limpar restos de compota.

Uma mulher a fazer compota em julho
no meio do caos de uma cozinha cheia de vapor
não se está a preparar para fugir para o Ocidente
ou para comprar um bilhete para os EUA.
Essa mulher há-de escapar aos desmoronamentos da neve
salva pelo sabor da fruta.
Na Rússia quem faz compotas
sabe que não há saída.



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Fay Marshall e Alex Marshall reproduzida em An anthology of contemporary russian womem poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa Press, Iowa City, 2005, p. 69).

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Olga Ivanova

Encontro-me comigo todos e cada dia...



Encontro-me comigo todos e cada dia
Nunca me deixo só a mim mesma
Não fico nem um segundo longe da minha vista
Por isso não consigo simplesmente entender
O que pode ter acontecido
A este rosto
Que me responde olhando-me fixamente
De velhas fotografias



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Jenefer Coates reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa, Iowa City, 2005, p. 66).

domingo, 4 de setembro de 2011

Gali-Dana Zinger

Lamentação do guarda-fronteiriço



Eu não quero ser um guarda-fronteiriço, disse o guarda-fronteiriço.
Não quero ser um guarda-costas.
Não quero ser um anjo-da-guarda.
Não quero ser um guia.
Não quero ser um gravador.
Não quero ser uma granada.
Não quero ser uma garantia.
Não quero ser um galão de enfeitar.
Mas a minha própria má consciência guarda-me e agarra-me
e aqui estou, de guarda, no meu jardim octogonal.

Eu não quero ser vigia, respondeu o vigia.
Não quero ser um guarda.
Não quero ser um guarda dos guardas.
Mas a minha própria má consciência vigia-me e prende-me
e aqui estou, só, vagando ao vento.

Eu sou aquele que guarda a porta, observou o porteiro.
Mas ninguém me perguntou
qual era a minha vontade.



(Versão minha a partir da tradução inglesa da autora e revista por Ashraf Noor reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa Press, Iowa City, 2005, pp. 199-200)

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Jane Kenyon

Biscoito



O cão limpou a tigela
e a sua recompensa é um biscoito,
que ponho na sua boca
como um padre oferece a hóstia.

Não consigo suportar esta expressão confiante!
Ele pede pão, espera
pão e eu, com o meu poder,
poderia ter-lhe dado uma pedra.



(Versão minha; o original pode ser lido aqui).

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Marina Boroditskaya

[Tanta gentileza vinda de homens desconhecidos...]



Tanta gentileza vinda de homens desconhecidos
por nenhuma razão especial.
Uma vez em Paris um empregado de mesa virou-se para mim: "Chérie!
Não se esqueça dos cigarros."

E num mercado de Londres, quando
quis comprar um disco dos Beatles,
o vendedor suspirou: "Que posso eu fazer, love,
se o preço voltar a subir?"

No aeroporto de Nova Iorque um negro velho
guiou-me até à porta certa dizendo:
"Nada de pânicos, baby, vem comigo!"
E eu segui atrás dele.

Tanta amabilidade vinda de homens desconhecidos!
Por que raio havia eu de precisar de mais?
Descansa em paz na tua ostra, pérola.
Sossega, Lua, lá nos céus.



(Versão minha a partir da tradução de Ruth Fainlight reproduzida em An anthology of contemporary russian women poets, selecção de Valentina Polukhina e Daniel Weissbort, University of Iowa Press, Iowa City, 2005, pp. 19-20).

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Juan Antonio González Iglesias

Arte de traduzir



Devemos celebrar as traduções felizes.
Como o Précis de décomposition
de Cioran, convertido
em Breviário de apodrecimento.
Em momentos de máxima insegurança cultural
a arte de traduzir ergue-se
como última forma de conhecimento.
Agora que a torre da história
sofre assédios que podem ser os definitivos
temos de recorrer aos especialistas
e aos que traduzem
sem precipitação e com audácia
intuindo o sentido final dos escritos.
Para compreender tudo
o que se passa nestes anos,
basta este livro
de Arnaldo Momigliano
que trata de uma outra época:
The Alien Wisdom, que alguém traduziu
de forma tão bela por A sabedoria
dos bárbaros.



(Versão minha; poema incluído em Del lado del amor - Poesía reunida (1994-2009), prólogo de Guillermo Carnero, Visor, Madrid, 2010, p. 309).

domingo, 24 de julho de 2011

Karin Gottshall

Terramoto



Quando te digo que desperdicei a minha infância
no mar deves ter bem presente
que eu posso ser uma narradora pouco fiável.

Quando afirmo que passei um ano
na academia militar, disfarçada de rapaz,
não acredites - ainda que seja verdade.

Todas as manhãs puxávamos o brilho às botas
- até ficarem esplendorosamente lustrosas - e corríamos pelos bosques
de abetos carregando espingardas vazias. Quando te digo

que adoro vinho branco é a mais pura das verdades.
Tal como o facto da minha mãe
ter sido pintora e o meu pai violoncelista -

ou físico. Confundo os dois.
E também fico confusa com o peso
relativo da minha solidão: parece tão pesada,

mas onde está ela? Sabes que sobrevivi
a um naufrágio? Que fiquei só
e vivi muito tempo numa ilha? Isto

explica certamente esta cicatriz em forma de anzol,
meu amor de sal. Não pedi ajuda
para suportar tais fardos. O terramoto agitou,

abalou os alicerces do edifício
e as varas da cama balançaram como
mastros. Largámos amarras. Todas as minhas mentiras

são tal e qual: viajam para tão longe
que vão além do horizonte e depois, por fim,
regressam: meu ente querido, enjoado do mar, há muito perdido.



(Versão minha; o original pode ser lido aqui).

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Liu Chaichun (Século IX)

Esperando o regresso do meu marido
- Segundo a melodia "Luohongqu" - V



O dia de hoje substitui o de ontem
e o presente ano o que já é passado.
O rio Amarelo, que dizem ser sempre turvo,
um dia será claro.
Mas nunca voltarão a ser negros
os meus cabelos já brancos.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Guojian Chen reproduzida na Antología de poetas prostitutas chinas (Siglo V - Siglo XXI), Visor, Madrid, 2010, p. 74).

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Diego Ropero-Regidor

Confesso que não vivi



O vento solta o perfume ressequido
das rosas. Cheira a terra.
O assobio das raízes contrai
as últimas gotas de orvalho.
Vivo no meio de uma lagoa.
Sinto saudades da lentidão do caracol.
Confesso que consegui evitar a aridez
que o desamor me impôs.



(Versão minha e de Ricardo Castro Ferreira; poema publicado em Isla de Siltolá - Revista de Poesía, nº 4, Ediciones de La Isla de Siltolá, Sevilha, 2011, p. 17).

sábado, 16 de julho de 2011

Roger McGough

Cinco truques para te ajudar a atravessar uma floresta negra em segurança noite dentro



1. Assobia uma melodia que o teu pai tenha assobiado quando eras criança

2. Cruza os dois primeiros dedos da tua mão esquerda

3. Se perderes de vista a lua guarda-a na retina da tua mente

4. Imagina as cores que te cercam quando esperas o primeiro beijo da manhã

5. Traz uma Kalashnikov no porta-luvas.




(Versão minha; poema incluído em The state of poetry, Londres, Peguin, 2005, p. 11).

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Juan Antonio González Iglesias

Ai dos que propõem a vida como uma operação incessante de conhecimento



Ai dos que propõem a vida como uma operação incessante de conhecimento.
Os que pretendem impor-nos o seu excesso e a sua tristeza.
Os que não se detêm.
Não há assunto incessante que não se chame vida
ou simplesmente amor.
Nijinski disse algo muito parecido com isto:
As pessoas que pensam demasiado
acabam a escrever
coisas absurdas sobre a beleza.



(Versão minha; poema incluído em Del lado del amor - Poesía reunida (1994-2009); prólogo de Guillermo Carnero, Visor, Madrid, 2010, p. 172).

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Liu Chaichun (Século IX)

Esperando o regresso do meu marido
- Segundo a melodia "Luohongqu"



Naquele ano, quando nos despedimos,
disseste-me que ias a Tong Lu.
Mas lá ninguém te encontra.
Hoje recebi uma carta
que me enviaste de Cantão,
cidade muito mais distante.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Guojian Chen reproduzida na Antología de poetas prostitutas chinas (Siglo V - Siglo XXI), Visor, Madrid, 2010, p. 70).

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Xue Tao (768 - 862)

Contemplação primaveril



Lamento que, quando se abrem as flores,
não as possamos contemplar juntos.
Quando caem, partilhamos as penas,
mas em lugares diferentes.
Alguém pergunta-me:
- Que tempo te provoca
mais sofrimentos de amor?
Eis a minha resposta:
os dias em que se abrem as flores
e também aqueles em que tombam por terra.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Guojian Chen reproduzida em Antología de poetas prostitutas chinas (Siglo V - Siglo XXI), Visor, Madrid, 2010, p. 34).

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Jack Agüeros

O New York Times realizou um pequeno filme sobre Jack Agüeros, poeta nova-iorquino que sofre da doença de Alzheimer e que perdeu a capacidade de ler, escrever e lembrar:

terça-feira, 5 de julho de 2011

Mark Strand

Dois cavalos



Numa noite quente de junho
fui ao lago, pus-me de quatro,
e bebi como um animal. Dois cavalos
aproximaram-se e, ao meu lado, beberam também.
Isto é incrível, pensei, mas quem irá acreditar?
Os cavalos olhavam-me de quando em quando, resfolgando
e saudando com a cabeça. Senti necessidade de responder, por isso também
[eu resfolguei,
mas titubeando, como se não quisesse ser verdadeiramente ouvido.
Os cavalos devem ter sentido que eu me retraía.
Afastaram-se um pouco. Então pensei que talvez me tivessem conhecido
numa outra vida - aquela em que fui poeta.
Podem inclusivamente ter lido os meus poemas, pois, então,
naquele tempo sombrio em que a nossa avidez não conhecia limites,
mudávamos de estilo quase tantas vezes como há dias no ano.



(Versão minha a partir do original e da tradução de Dámaso López García reproduzidos em Hombre y camello - poemas, Visor, Madrid, 2010, pp. 28-29).

sábado, 2 de julho de 2011

Karin Gottshall

Mais mentiras



Às vezes digo que me vou encontrar com a minha irmã no café -
mesmo não tendo qualquer irmã - só porque é uma coisa
linda de se dizer. Tenho pensado nisto desde que

li um romance no qual duas irmãs estavam sempre a encontrar-se
em cafés. Hoje, por exemplo, caminhei sozinha
pelo passeio, com as minhas botas para a chuva, esperando

que alguém me perguntasse para onde me dirigia. Comprei
um bloco de notas e uma pilha para o relógio, as montras da loja
estavam embaciadas. Chuva em Abril é uma espécie de promessa, e

gratuita. Levei um saco com livros para o café e pedi
chá. Gosto de sítios iluminados por lâmpadas. Gosto de sítios
onde se pode ouvir as pessoas a falarem de coisas sem imporância,

como a diferença entre o azul-celeste e o azul-cerúleo,
ou o preço das tulipas. Que está a descer. Reparei
em alguém que podia ser minha irmã a entrar, e a sacudir a chuva

dos cabelos. Pensei, mesmo agora as floristas estão a encher
as estantes frigoríficas com tulipas, a cinco dólares o molho. Por toda
a cidade há irmãs.Qualquer uma delas poderia ser a minha.



(Versão minha; o original pode ser lido aqui).

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Bernardo Atxaga

O ouriço



O ouriço desperta por fim no seu ninho de folhas secas,
e vêm-lhe à memória todas as palavras da sua língua,
que, contados os verbos, são pouco mais ou menos vinte sete.

Então pensa: O inverno terminou,
Sou um ouriço, Duas águias voam sobre mim;
Rã, Caracol, Aranha, Verme, Insecto,
Em que parte da montanha vos escondeis?
Aí está o rio, É o meu território, Tenho fome.

E volta a pensar: É o meu território, Tenho fome,
Rã, Caracol, Aranha, Verme, Insecto,
Em que parte da montanha vos escondeis?

No entanto, permanece quieto, como mais uma folha seca,
porque ainda é meio-dia e uma lei antiga
proíbe-lhe as águias, o sol e os céus azuis.

Anoitece porém, desaparecem as águias, e o ouriço,
Rã, Caracol, Aranha, Verme, Insecto,
Rejeita o rio e vai pelo sopé da montanha,
tão seguro dos seus espinhos como o pode estar
um guerreiro com o seu escudo, em Esparta ou em Corinto.

E de súbito atravessa o limite, a linha
que separa a terra e a erva da nova estrada,
num só instante entra no teu tempo e no meu;
E como o seu dicionário universal
não foi corrigido nem aumentado
nestes últimos sete mil anos,
não reconhece as luzes do nosso automóvel
e nem sequer se dá conta de que vai morrer.



(Versão minha a partir da versão castelhana do autor reproduzida em Poemas & híbridos, Visor, Madrid, 5ª edição, 2003, pp. 7-9).

terça-feira, 28 de junho de 2011

Inger Elisabeth Hansen

Cavalo, dirigido ao céu
sai precipitado de si mesmo como um efeito sem mundo



Os cavalos têm de permanecer inteiros
Os cavalos têm de permanecer inteiros no bosque
Os cavalos têm de permanecer no bosque à espera
Com os beiços cheios e descidos os cavalos têm de permanecer ali
Os cavalos têm de esperar ali onde se está sob as árvores
Ali onde a fonte se enche a si mesma têm de permanecer os cavalos
Os cavalos desenvolveram um instinto comum para conseguirem chegar aqui
Para cavalos que permanecem inteiros há um bosque por ali
Para cavalos que estão inteiros há grandes árvores
Há abrigos para cavalos que captaram tudo
Cavalos que trouxeram os beiços cheios para baixar
Cavalos que trouxeram o olhar até ali onde existe uma fonte
Há abrigo para os cavalos que souberam salvar a pele
Para os cavalos que têm uma pele que está cheia de cavalo
Ali os cavalos podem esperar repletos de cavalo
Virados para a terra, com os cascos descidos, com a cabeça descida
Com a cabeça feita para a terra que lhes dá de comer, que os deixa beber
Que os deixa encherem-se de cavalos minuciosamente delimitados
Salva a sua pele, os cavalos hão-de permanecer inteiros



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Kirsti Baggethun e Espido Freire reproduzida em Latitudes extremas - Doce poetas chilenas y noruegas, selecção de Gonzalo Rojas e Inger Elisabeth Hansen, Tabla Rasa, Madrid, 2003, p. 122)

domingo, 26 de junho de 2011

Cristina Peri Rossi

A vida sexual das palavras

a Julián Ríos



Sax e sexo: jazz
cio e céu: paraíso
Trieste e Dostoievsky: jogador
voz ma-terna: mimo
a tuba turba
a loba ao lupanar
e o cadáver à cova
a musa é a suma
fazê-lo fóssil metamorfose
por amor se escolhe o amo
chamo a mão que amo
o texto atesta
porém a palavra
abracadabra
abre as casas
as coisas
sem as quais
ousar falar
é de poetas.



(Versão minha; poema do livro Habitación de hotel, Plaza & Janes, Barcelona, 2007, p. 20)

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Liu Chaichun (Século IX)

Esperando o regresso do meu marido
- Segundo a melodia "Luohongqu" -

III



Não te cases com um mercador:
terás de vender as tuas jóias
para pagar a adivinhos.
No rio, todas as manhãs,
olhas os barcos que chegam.
Crês ver o teu marido uma e outra vez.
Mas uma e outra vez acabas decepcionada.



(Versão minha a partir da tradução castelhana (?) de Guojian Chen reproduzida em Antología de poetas prostitutas chinas (Siglo V - Siglo XXI), Visor, Madrid, 2010, p. 70).

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Thomas Lux

Como Montezuma alimentou Cortés e os seus homens



Tamales, gostam de tamales,
coisa nova para eles (milho), ensopados em mel,
ou com pimentos
servidos em pratos de louça vermelha ou preta;
e coco com mel
em cabaças pintadas: eles eram deuses, e este
foi o pequeno-almoço, às 10 da manhã. O almoço
foi ao início da tarde, no período mais quente - Montezuma
e os seus mais numerosos rapazes (muitos
milhares) comeram bolos de milho, feijões, tomates
mas Cortés e os seus 500
para além disso tiveram
carne de veado, de cão, perú, montes de perú, faisão,
perdiz, porco do mato, iguanas, toda a espécie de patos
do Lago Texcoco.
Também lhes foram apresentados
mas não gostaram - eram deuses! - cardos, ratos
com molho, salamandras, larvas de mosca
de água, girinos, formigas, vermes de piteira.
Gostaram: de ovos de salamandra (um esquivo
gosto europeu) e de pequenas porções de espuma do lago (que
sabiam a queijo Manchego).
Nas crónicas não se faz menção
a que peyote ou cogumelos tenham sido oferecidos,
talvez porque Montezuma e os seus sacerdotes
os tenham comido todos
o que ajudará
a explicar por que pensaram que Cortés era um deus.
Depois do almoço, toda a gente - e até mais tarde,
quando começaram os combates - dormiu uma sesta.
O jantar foi tardio - aí pelas 9, 10, 11, tinha arrefecido
e a comida foi mais ou menos a mesma do almoço.
Não é preciso dizer-vos nada sobre setas e pedras,
arcabuzes e espadas.
Ou sobre cavalos.
Não é preciso dizer-vos nada sobre aposentos repletos de ouro.
Eles eram deuses
e estavam esfomeados, sempre esfomeados,
e a sua chegada tinha sido profetizada,
navegando vindos do leste
sobre o dorso de grandes aves marinhas,
navegando até chegarem a um velho mundo que designaram como novo
num dia cheio de sol e de luz
na primavera de 1519.



(Versão minha; poema incluído em New and selected poems - 1975/1995, Hougton Mifflin Company, Boston/Nova Iorque, 1997, pp. 16-17).

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Mark Strand

Mãe e filho



O filho entra no quarto da mãe
e fica junto à cama onde ela está deitada.
O filho acredita que ela quer dizer-lhe
o que ele anseia ouvir - que ele é o seu menino,
será sempre o seu menino. O filho inclina-se
para beijar os lábios da mãe, mas os lábios estão frios.
Começou o enterro dos sentimentos. O filho
toca as mãos da mãe pela última vez,
depois vira-se e vê a lua cheia.
Uma luz de cinza cruza o chão.
Se a lua pudesse falar, o que diria?
Se a lua pudesse falar, não diria nada.



(Versão minha a partir do original e da tradução castelhana de Dámaso López García reproduzidos em  Hombre y camello, Visor, Madrid, 2010, pp. 58-59).

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Li Ye (?-784)

Oito superlativos



O mais próximo e o mais distante:
O oriente e o ocidente.
O mais profundo e o menos fundo:
Regato cristalino.
Os mais altos e os mais resplandecentes:
O sol e a lua.
Os que mais se amam e os que mais se desamam:
Marido e mulher.



(Versão minha a partir da tradução para castelhano de Guojian Chen (?) incluída em Antología de poetas prostitutas chinas (Siglo V - Siglo XXI), Visor, Madrid, 2010, p. 26).

terça-feira, 14 de junho de 2011

Milan Rúfus

Destino



A cabeça vendada
de Guillaume Apollinaire
inventa um poema.
Esquecidos do corpo
seguiamos-te, destino.
E o espinho na planta do pé
não o sentíamos. O calo na palma da mão
era parte dela como um sexto dedo, e sem ele
não era nossa.

Assim se enrosca o corpo,
adapta-se. Como uma ferradura
dobram-nos à medida
do inapreensível.

E nós pedimo-lo.
August Renoir
amarra-se ao pincel:
um instante mais, Senhor,
ata-nos mesmo que seja à cauda
do cavalo de Tróia.



(Versão minha a partir da tradução de Alejandro Hermida de Blas incluída em Campanas, edição bilingue eslovaco-espanhol, La Poesía, señor hidalgo, Barcelona, 2003, p. 121).

domingo, 12 de junho de 2011

Juan Bonilla

Última imagem da destruição

William Carlos Williams



Estava muito frio
no dia em que enterrámos a gata

apanhámos o caixote onde dormia
e pegámos-lhe fogo
no pátio traseiro da casa

fugindo das chamas algumas pulgas
atiraram-se ao chão
morreram congeladas



(Versão minha; poema incluído em Defensa personal - Antología poética (1992-2006), Prólogo de Miguel Albero, Renacimiento, Sevillha, 2009, p. 143).

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Karmelo C. Iribarren

Por amor



Quis fazer-te mal
muitas vezes. Golpear-te,
enfurecer-me contigo,
fazer uso da famosa
crueldade mental
até te ver chorar, rir
como uma histérica.
Desejei-te muitas vezes o pior,
o mais baixo, o mais cruel,
o mais rasteiro e sujo
que um homem pode desejar
a uma mulher. E só por amor.



(Versão minha; poema incluído em Seguro que esta historia te suena - Poesía completa (1985-2005), Renacimiento, Sevilha, 2005, p. 147).

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Ahmad Shamlú

Da morte


Nunca tive medo da morte.
As suas mãos são mais frágeis do que a vulgaridade.
De todos os modos o meu temor
é morrer numa terra
onde o salário de um coveiro
é mais elevado do que a liberdade de um homem.

Procurar,
encontrar
e de imediato
escolher livremente
e construir uma torre
da natureza de si mesmo.

Se a morte tivesse mais valor do que tudo isto
juro que jamais fugiria dela.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Nazanín Amirián, adaptada por Ferran Fernández e incluída em El viento nos llevará. Poesía persa contemporánea, Los Libros de la Frontera, 2ª edição, corrigida, Barcelona, 2006, p. 90).

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Mark Strand

Fogueira


Às vezes havia uma fogueira e eu entrava nela
e dela saía ileso e seguia o meu caminho,
e para mim era apenas outra coisa que tinha feito.
Quanto a apagar a fogueira, isso deixava para outros
que se apressavam sobre o fumo revolto com vassouras
e mantas para sufocar as chamas. Quando terminavam,
juntavam-se confusamente para falar do que tinham visto -
da sorte que tinham por terem testemunhado o fulgor do calor,
o efeito silenciador das cinzas e, ainda mais, o terem conhecido a fragrância
do papel queimado, o som das palavras a exalar o último suspiro.



(Versão minha a partir do original e da tradução castelhana de Dámaso López García reproduzidos em Hombre y camello - poemas, Visor Libros, Madrid, 2010, pp. 36-37).

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Ahmad Shamlú

Amor



O amor cria amor
o amor cria vida
a vida cria sofrimentos
os sofrimentos criam inquietações
as inquietações criam coragem
a coragem cria confiança
a confiança cria esperança
a esperança cria vida
a vida cria amor
o amor cria amor.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Nazanín Amirián, adaptada por Ferran Fernández e incluída em El viento nos llevará. Poesía persa contemporánea, Los Libros de la Frontera, 2ª edição, corrigida, Barcelona, 2006, p. 88).

domingo, 29 de maio de 2011

Juan Bonilla

uma imagem de cummings



uma imagem de cummings
não me deixa dormir

a vida é um velho que caminha
com a cabeça cheia de flores

a quem leva flores esse velho?

talvez a quem não foi capaz de ser
o primeiro da turma
ou o soldado heróico
ou o homem que jogou uma partida com o campeão do mundo de xadrez
o activista político
ou aquele que se apaixonou por Gabriela Sabatini

cruza-se com os túmulos
onde estão incritos os nomes do que não existe
deposita as flores frescas de luz e sangue
que leva à cabeça

escuta os latidos do futuro
que ficou já para trás

e segue até ao seu túmulo, o real

todo o passado sempre à sua frente



(Versão minha; poema do livro Cháchara, Renacimiento, 2010, pp. 55-56; talvez seja interessante confrontar este poema com o de cummings que explicitamente o desencadeia).

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Sons de uma noite de primavera

(The National: Campo Pequeno: Lisboa: 24 de Maio de 2011: fotos: Cristina P.)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Forugh Farrokhzad

Oferenda


Eu falo da profundidade da noite,
da escuridão abissal.

Se vieres a minha casa, amor,
traz-me luz.
E uma janela para que eu possa ver
a felicidade daquela rua repleta.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Nazanín Amirián, adaptada por Ferran Fernández e reproduzida em El viento nos llevará. Poesía persa contemporánea, Los Libros de la Frontera, 2ª edição, corrigida, Barcelona, 2006, p. 73).

terça-feira, 24 de maio de 2011

Juan Bonilla

O viajante



Ali de onde venho ninguém me retinha.
Sei que ninguém me espera aí para onde vou.

Pela janela desfilam imóveis as paisagens.
Seria maravilhoso não chegar a sítio nenhum.

Permanecer assim:
viajando de um lugar que já não existe
para outro que nunca existirá.



(Versão minha; poema incluído em Defensa personal (Antología poética 1992-2006), prólogo de Miguel Albero, Ranacimiento, Sevilha, 2009, p. 155).

domingo, 22 de maio de 2011

Ricardo Castro Ferreira

Sic transit...



























(Óleo sobre papel, 2011)

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Hafid Gafaïti (5)

Última fonte



longe
à sombra dos camelos
para beber
o último nómada
recolhe as lágrimas das estrelas



(Versão inédita de António Ladeira; poema incluído no livro La tentation du désert / The temptation of the desert, L ' Harmattan, Paris, 2008, p. 98)

terça-feira, 17 de maio de 2011

David Ignatow

Ao que chegam as coisas



Não sei qual devo lamentar. Ambos morreram para mim, a minha mulher e
o meu carro. Sinto-me muito em baixo por causa do meu carro, mas também
estou bastante afectado por causa da minha mulher. Sem o meu carro, não
posso sair de casa para evitar a solidão. A minha mulher deu-me dois
filhos, os quais, é claro,
já não viviam connosco, tal como se previa, tal como nós na nossa juventude
deixámos para trás os nossos pais. Com o meu carro, eu podia visitar os meus filhos
quando não estivessem demasiadamente ocupados.

Antes de morrer a minha mulher encorajou-me a encontrar outra mulher. É um conselho
que gostaria de seguir, mas não sem um carro. Sem um carro, não consigo
encontrar-me com outra mulher. É ao que chegam as coisas.



(Versão minha; original reproduzido em Good poems for hard times, selecção e introdução de Garrison Keilor, Viking, Nova Iorque, 2005, p. 244)

domingo, 15 de maio de 2011

Ricardo Castro Ferreira

Homenagem a Goya






















(Óleo sobre papel, 2011 - colecção particular)

sábado, 14 de maio de 2011

Hafid Gafaïti (4)

A sul do sul



no deserto
o tempo é um luxo
só espinhos e cactos
rompendo a cada raio

dormi na casa da estrangeira
a que se vestia de âmbar e almíscar
recusa a luz da sua vela
o perfume da sua pele

desde a morte da cidade existe uma regra
a que até os rebeldes obedecem
não mentir à mulher
que aprisiona areia em sua casa



(Versão inédita de António Ladeira; poema do livro La tentation du désert / The temptation of the desert, L' Harmattan, Paris, 2008, p. 64).

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Mark Strand

Fui um explorador polar



Na minha juventude fui um explorador polar
e passei noites e dias incontáveis gelando
de lugar vazio em lugar vazio. Por fim,
deixei de viajar e fiquei em casa,
aí cresceu em mim um repentino excesso de desejo,
como se me tivesse atravessado um resplandecente
feixe de luz daqueles que se vêem no interior de um diamante.
Enchi páginas e páginas com as visões que havia testemunhado -
os rugidos do gelo no mar, glaciares gigantes, o branco dos icebergues
chicoteado pelo vento. Então, sem nada mais para dizer, parei
e dirigi a minha atenção para o que me estava próximo. Quase ao mesmo
[tempo,
um homem de casaco negro e chapéu de aba larga
apareceu entre as árvores em frente à minha casa.
A forma como olhou a direito e ficou quieto,
sem se mover minimamente, os braços estendidos
ao longo do corpo, fizeram-me pensar que o conhecia.
Mas quando levantei a mão para o cumprimentar,
ele deu um passo atrás, voltou-se, e começou a desaparecer
como uma ânsia desaparece até que nada sobre dela.



(Versão minha a partir do original e da tradução castelhana de Dámaso López Garcia, reproduzidos em Hombre y camello - poemas, Visor Libros, Madrid, 2010, pp. 26-27)

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Ricardo Castro Ferreira

Melanchton









































































(Óleo sobre papel, 2011)

terça-feira, 3 de maio de 2011

Hafid Gafaïti (3)

Areia e neve



de madrugada
enxame de pássaros
polvilhado de estrelas

à tarde
homem do sul
em terras brancas

ambos
gratos
de luz e júbilo



(Versão inédita de António Ladeira; poema do livro La tentation du désert / The temptation of the desert, L'Harmattan, Paris, 2008, p. 106)

domingo, 1 de maio de 2011

Juan Bonilla

Uivo



Eu vi os melhores da minha geração
destruídos pela ânsia de ganhar muito dinheiro.
Poetas conformando-se com letras de canção,
pintores desenhando sapatos para o estrangeiro.

O nosso Truman Capote aprendeu a lição
e emprega o seu talento de ávido comentador
num programa estúpido de televisão.
Mas tem um chalé, dez noivas, cem admiradores.

Quem estava destinado a fazer grande arte
ganha milhões com sloganes baratos.
O vanguardista exímio escreve em toda a parte.*

E o artista rebelde que viveu numa gruta
decidiu atraiçoar-se, farto de maus tratos.
Dedica-se ao mesmo que os outros: é puta.



(Versão minha; original incluído em Defensa personal (Antología poética 1992-2006), prólogo de Miguel Albero, Ranacimiento, Sevilha, 2009, p. 68)

*Variante: "Quem estava destinado a fazer a grande novela / ganha milhões com sloganes baratos. / O vanguardista exímio escreveu uma sequela."

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Ricardo Castro Ferreira

O retiro pelo risco


(Acrílico sobre papel, 2011)

terça-feira, 26 de abril de 2011

Hafid Gafaïti (2)

Nova partida



de manhã depois de pão e chá
não são necessárias palavras
armados de paciência e dúvida
desposamos a costa de novo

passamos Tamanrasset
marcha fatigada
olhares na distância
nunca termina o grito

perseguimos ecos
tendas nómadas rios secos
até turbilhões e sementes
nos perderem para sempre



(Versão inédita de António Ladeira; poema do livro La tentation du désert / The temptation of the desert, L' Harmattan, Paris, 2008, p. 66).

domingo, 24 de abril de 2011

Jüri Talvet

Breve carta para Álvaro de Campos



O que é a realidade? Apenas um monte de ossos. Por isso há
que construir, só por isso há que construir com argamassa
feita de cinza e madrugada, imaginações, paredes que falem
para uma casa em que talvez um dia se aloje uma rapariga.



(Versão minha a partir da tradução castelhana de Albert Lázaro-Tinaut e revista pelo autor incluída em Del sueño, de la nieve (Antología 2001-2009), Olifante, edição bilingue estónio-castelhana, Saragoça, 2010, p. 33).

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Ricardo Castro Ferreira

Comunicação de ausência



























(Acrílico sobre papel, 2011)

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Hafid Gafaïti (1)

Da necessidade de continuar argelino



Nasci em berbere
Sinto em árabe
Penso em francês
Trabalho em inglês
Canto em espanhol
Recordo em latim
Transmito em grego
Partilho em hebraico
Questiono em sânscrito
Espero em americano
Sento-me em zen
Comunico em não-dito

Falo todas as línguas
Rio-me com todas as vozes
Sangro em silêncio
Amo em cada palavra

concebida Múltipla
Vivo em argelino
Morro em humano



(Versão inédita de António Ladeira; poema do livro La gorge tranchée du soleil / The slit throat of the sun, L' Harmattan, Paris, 2006, p. 82.
Hafid Gafaïti nasceu na Argélia, onde, durante a guerra civil (anos 90), foi membro do movimento democrático de oposição quer ao regime militar, quer ao partido islamita. Foi membro fundador da secção argelina da Aministia Internacional, tal como membro activo do movimento feminista. Como intelectual e crítico que colaborava sobretudo com dissidentes políticos, escritores e poetas (todos na "lista da morte" das forças anti-democráticas), Hafid foi considerado um inimigo tanto do governo como da insurreição islâmica.
Estudou e leccionou em múltiplas universidades na Argélia, Inglaterra e Estados Unidos. Hafid Gaifaïti é actualmente professor de literaturas francófonas na Texas Tech University. Publicou numerosos livros de ensaios e de crítica literária e, desde 2006, editou três livros de poesia. O poema aqui apresentado é o primeiro de um conjunto que será publicado neste blogue. Segundo sabemos, é o primeiro poema do autor passado para português. Ao poeta, por ter autorizado a publicação do poema, e a António Ladeira pela tradução - e por tudo mais - o nosso agradecimento).

sábado, 9 de abril de 2011

Robert Bly

É tarde e conduzo até à cidade para pôr uma carta no correio



A noite está fria e neva. A rua principal está deserta.
As únicas coisas que se mexem são remoinhos de neve.
Ao levantar a tampa da caixa do correio, sinto o seu metal gelado.
Há um isolamento que eu amo nesta noite nevada.
Andando às voltas poderei demorar-me um pouco mais.



(Versão minha; o original surge em Good poems for hard times, selecção e introdução de Garrison Keillor, Viking, Nova Iorque, 2005, p. 253)

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Ricardo Castro Ferreira

O corpo da pintura




















(Óleo sobre papel, 2010 - colecção particular)

segunda-feira, 4 de abril de 2011

W. S. Merwin

Ar



Naturalmente é de noite.
Sob o alaúde virado com a sua
Única corda eu sigo o meu caminho
O qual tem um som estranho.

Pó aqui, pó daquele lado.
Escuto os dois lados
Mas prossigo.
Lembro-me das folhas
Paradas nas suas deliberações
E depois o inverno.

Lembro-me da chuva com o seu feixe de estradas.
A chuva conduzindo todas as suas ruas.
A lugar algum.

Jovem como eu, velha como eu.

Esqueço o amanhã, o homem cego.
Esqueço a vida entre janelas enterradas.
O olhar das cortinas.
A parede
Crescendo entre as perpétuas.
Esqueço o silêncio
O autor do sorriso.

Isto deve ser o que eu quis fazer.
Caminhar de noite entre os dois desertos,
Cantando.



(Versão inédita de António Ladeira; o original pode ser lido aqui).

quinta-feira, 31 de março de 2011

Jaroslav Seifert

Pequena canção da noite


Para Vladimír Holan


As gatas irrompem das águas-furtadas
e tornam-se verdes na noite.
Eu procurava em vão uma  palavra nova
para isso a que os outros chamam sonho.

Para esta quimera, coisa ou instante,
que ultrapassa os limites da tua realidade
e depois - para te submeter ao seu próprio império -
não chega quase a ter corpo.

Para isso que é um simples murmúrio
e se dilacera a cada choque,
assim como um pão de gaze ligeiro
que, rente à tua fronte, flutua no ar.

Isso que, com o sangue, chega ao rosto
e faz sonhar as jovens raparigas
logo que, confessando-se à almofada,
se escondem sob os cobertores.

Para isso que surge assim que as tuas mãos
cobrem os teus olhos; isso que quase
a tua orelha não ouve, quando há um suspiro -
muito baixo - num recolhimento solitário.

Para esses olhos e esse olhar, enfim,
com os quais uma senhora me deslumbrou.
E com os quais, desde então, eu sonho ainda,
balbuciando versos comovidos.

Velar sem prazo, pela dor:
nada me impedirá de dormir mal.
A cidade? Dorme. Lá em baixo, o dique
purifica o ouro pálido das estrelas.



(Versão minha a partir da tradução francesa de Petr Král, incluída na Anthologie de la poésie tchèque contemporaine, Gallimard, Paris, 2002, pp. 26-27). 

terça-feira, 29 de março de 2011

Ricardo Castro Ferreira

Um silêncio de bronze





















(Óleo sobre papel, 2011- colecção particular)

segunda-feira, 28 de março de 2011

Charles Simic

Um livro cheio de imagens



O meu pai estudava teologia por correspondência
E era a época de exames.
A minha mãe fazia renda. Eu sentava-me sossegado com um livro
Cheio de imagens. Caiu a noite.
As minhas mãos ficaram frias de tocar as caras
De reis e rainhas mortos.

Havia uma gabardine negra
[no quarto de cima
A balouçar no tecto,
Mas o que faria ali?
As grandes agulhas da mãe cruzavam-se velozmente.
Eram negras
Como o interior da minha cabeça nessa altura.

As páginas que virava faziam um som de asas.
"A alma é um pássaro", disse ele uma vez.
No meu livro cheio de imagens
Uma batalha fervilhava: lanças e espadas
Pareciam uma floresta no inverno
Com o meu coração cravado e sangrando nos ramos.



(Versão inédita de António Ladeira; o original pode ser lido aqui).

quinta-feira, 24 de março de 2011

Ellery Akers

As duas palavras que são uma prece



Uma coisa sabes quando as dizes:
por toda a terra há gente a dizê-las contigo;
uma criança proferindo-as quando a apreensão a domina,
uma mulher recitando-as sobre um berço num hospital.
E se apanhares um táxi que vá por Tenderloin:
a uma luz vermelha, um homem com um gorro,
fios de lã desenredando-se ao longo do rosto, bate no vidro;
e diz, Por favor.
No momento em que ouves o que ele diz
a luz muda, o táxi afasta-se
e tu não voltas atrás, sabendo contudo
que alguém acabou de te suplicar tal como tu suplicas.
Por favor: duas palavras tão breves
que tanto se podem perder no ar
como flutuarem - como penas que são - até chegarem a Deus,
batendo e batendo, e finalmente
caindo na terra como chuva,
como pepitas de gelo, embebendo um ramo negro,
recolhendo-se nos esgotos, infiltrando-se no solo,
e tu caminhas com este tempo todos os dias.



(Versão minha; o original pode ser lido aqui).

terça-feira, 22 de março de 2011

Ricardo Castro Ferreira

O boi da paciência
































(Acrílico sobre papel, 2011)