segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Sheikh Ayaz

Escreve



"Já alguma vez estiveste numa guerra? Viste
corpos a cairem na poeira?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já tiveste os lábios de uma noiva a tocar
como uma flauta os teus lábios?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já alguma vez, depois de te embriagares, fechaste os olhos
e sentiste o rio vacilar e vibrar
e deslizaste sobre ele como um cisne?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso."

"Já alguma vez estiveste quase a alcançar o que querias
e, de repente, tudo te fugiu,
silenciando-te o coração como um tambor?"

"Sim."

"Então escreve sobre isso. Não escrevas só
sobre o que ouviste. Não escrevas
só a partir do que os outros escreveram."



(Versão minha a partir da tradução inglesa de Asif Farrukhi e Shah Mohammed Pirzada reproduzida em Modern poetry of Pakistan, organização de Iftikhar Asif e revisão das traduções de Waqas Khwaja, Dalkey Archive Press, Champaign/Londres, 2010, pp. 116-117).

3 comentários:

Maíra da Fonseca Ramos disse...

Muito interessante essa tua versão. E é mesmo complexa essa busca sobre o quê escrever... Mas não falta assunto, talvez inspiração.

Antônio disse...

É como dizia Rilke, escrever 'a partir da própria experiência. O que já é um material e tanto. Mas nem sempre.

Carol Timm disse...

LP,

Mas uma vez capturei uma das tuas belas traduções para reproduzi-la na minha Casa de Leitura.

Bjs e ótimo domingo!
Carol