quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Andrea di Consoli

"Pai, andamos de noite..."



Pai, andamos de noite pelo estábulo meio às escuras,
acabo de chegar de Roma,
falas pouco, está frio,
as cabras tentam compreender quem eu sou,
os coelhos assustam-se com a minha voz,
os perus incham o pescoço vermelho.
Depois a mãe chega com uma garrafa cheia de leite
e tu amamentas um cabrito
porque precisamente ontem,
tu que és um homem bom,
mataste a sua mãe para celebrar o meu regresso.



(versão minha a partir do original e da tradução castelhana apresentada em La Poesía del Siglo XX en Italia, seleção de Emilio Coco, Visor, Madrid, 2017, p. 779).

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Claudio Damiani

 "É uma guerra..."



É uma guerra onde não se combate,
caem bombas, e chega,
apanham-te na rua, na frutaria,
nos cinemas, nos supermercados, nos lugares de trabalho,
também em casa: entram pela janela
e explodem-te na cara.
Mesmo se construísses um bunker
cem metros debaixo da terra,
com paredes de aço, com portas de diamante,
mesmo assim as bombas haviam de te alcançar ali.
E as pessoas não vão para os os refúgios,
nem ficam em casa, nem procuram esconder-se,
na verdade fazem todas as coisas com se tudo fosse normal,
saem do trabalho vão ao bar divertem-se
como se tudo fosse normal,
como se tudo fosse como era dantes.



(versão minha a partir do original e da tradução castelhana apresentada em La Poesía del Siglo XX en Italia, seleção de Emilo Coco, Visor, Madrid, 2017, p. 669).

domingo, 14 de janeiro de 2018

Margherita Guidacci

Não quero


Todos os vossos instrumentos têm nomes estranhos
e difíceis, mas eu vejo claramente
e sei que, no fundo, são só
fitas métricas e giz com os quais medis
e marcais - marcais e medis
sem vos cansardes.
Tirais alfinetes de entre os lábios, como os alfaiates:
espetais-mos na alma
e dizeis: "Aqui faremos uma bela bainha.
Assim vai ficar muito melhor."
Eu não quero que me corteis um bocado da alma!
Se tenho demasiada para entrar no vosso mundo,
pois bem, não quero entrar.
Sou uma poetisa:
uma borboleta, um ser
delicado, com asas.
Se mas arrancarem, vou retorcer-me na terra,
mas não será por isso que me converterei
numa alegre e disciplinada formiga.



(versão minha a partir do original e da tradução castelhana apresentada em La Poesía del Siglo XX en Italia; seleção de Emilio Coco, Visor, Madrid, 2017, p. 93)

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Vivian Lamarque

"Caro doutor..."



Caro doutor
sem o seu amor
estou como na água de um dedal
um peixe do mar.



(versão minha a partir do original e da tradução castelhana apresentada em La Poesía del Siglo XX en Italia; seleção de Emilio Coco, Visor, Madrid,, 2017, p. 463).