sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Pablo G. Bao

não são cães, são flores



chove

espreito pela janela
e vejo
esse cão da rua
que atravessa o passeio
debaixo de uma chuva forte

eu estou debaixo do meu tecto
em lugar seguro
e parece-me bem

e parece-me bem
que esse cão da rua
trema debaixo da chuva
como uma flor do asfalto.



(original reproduzido em Resaca - Hank Over: un homenaje a Charles Bukowski, organização de Patxi Irurzun e Vicente Muñoz Álvarez, Caballo de Troya, Madrid, 2008, p. 171).

3 comentários:

CristinaGS disse...

Aqui também chove :-)

pablo g bao disse...

Traducido al portugués, mi poema gana en melancolía.. me gusta..

Lp disse...

Obrigado, Pablo, pelo seu poema e pelas suas palavras. Um abraço.