domingo, 22 de junho de 2008

Miroslav Holub

A porta



Vai e abre a porta.
Talvez lá fora exista
uma árvore, ou um bosque,
um jardim,
ou uma cidade mágica.

Vai e abre a porta.
Talvez haja um cão a esquadrinhar.
Talvez vejas um rosto,
ou um olhar,
ou a imagem
de uma imagem.

Vai e abre a porta.
Se houver nevoeiro
ele desaparecerá.

Vai e abre a porta.
Mesmo que só haja
o tiquetaque das trevas,
mesmo que só haja
o vento vazio,
mesmo que
não exista
nada,
vai e abre a porta.

Pelo menos
haverá
uma corrente de ar.



(versão minha, a partir da tradução do checo para o inglês de Ian Milner, reproduzida em Staying alive, organização de Neil Astley, Bloodaxe, Northumberland, 8ª edição, p. 69).

1 comentário:

Jota disse...

Um óptimo conselho.