quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Fernando López de Artieta

Ode ao telefone



Todos nós compramos este aparelho
com a ilusão de que nos ligue um dia
uma loira que deseje ser nossa amiga
ou nos anunciem um prémio literário.

Esta loquaz pomba mensageira
devia ensinar ao carteiro
que as notícias não requerem selos,
nem caixa de correio, nem farda, nem uma Vespa.

Assalta-nos de súbito, a voz estridente,
com notícias triviais e prosaicas,
temas domésticos de andar por casa,
sem importância, porém com sentido.

A nossa vida esconde-se nestas coisas
que fazemos quase sem saber que fazemos,
e assim tagarelar com alguém ao telefone
representa-nos de não sei que forma.

Nenhum amigo me contou tantos
segredos ao ouvido como este,
e jamais me falaram as mulheres
acercando-se tanto dos meus lábios.

E não quero louvar no meu poema
o artefacto, antes o grande mistério
desses números mágicos que deixam
que apareça uma voz no meu silêncio.



(versão minha; poema do livro Jugar en serio, Visor Libros, Madrid, 2004, p. 19).

1 comentário:

Johanna Bettencourt disse...

E um dia chega...
Alô! Como vai, tudo bem?
Saudades de te conhecer...
Call-me...
Beijos
Johanna.