domingo, 13 de dezembro de 2009

Zoran Anchevski

A última ceia



Tomo assento junto à
imagem fracturada do meu dia.
O meu segredo permanece intacto
preparados os meus planos para o crime
digo umas palavras de cortesia sem sentido
porque o silêncio é um abismo espantoso
entre os dois latidos da pulsação
onde nos enredamos na nossa própria armadilha.
Quão difícil é suportar o seu olhar
sobre a minha consciência.
Disperso-me em milhares de sílabas
tartamudeio essas cortesias sem sentido
que se multiplicam em nada
desaparecem...

Ofereço a minha mão.



(versão minha a partir da tradução castelhana de Maria Krstevska reproduzida em 4 poetas macedonios, Norteysur, Benalmádena, 2006, p. 132).

4 comentários:

CristinaGS disse...

Bom dia! é sempre bom oferecer uma mão, o poeta é que sabe :)

Lp disse...

Mas esta mão parece-me algo duvidosa (não será a mão de Judas?)...

CristinaGS disse...

A mim não me parece, mas a hermenêutica é de cada um de acordo com as suas realidades :)) Abraço de cá

Lp disse...

Outro de cá.